Bogotá, 12 jul (EFE).- As acusações das Farc contra dois dos carcereiros dos seqüestrados resgatados pelo Exército colombiano só contribuirá para mais deserções nesta guerrilha, disse hoje o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) "cometeram um novo erro. Essa acusação vai gerar mais desmobilizações, mais deserções, mais entregas" de guerrilheiros às autoridades, disse Santos.

O ministro da Defesa fez referência a um comunicado das Farc sobre a operação de resgate que permitiu a libertação de 15 reféns da guerrilha.

Segundo as Farc, no texto divulgado na sexta-feira, não foi uma libertação, mas sim "uma fuga" de seus seqüestrados e acusaram os guerrilheiros que os vigiavam de serem coniventes com isso.

Os dois guerrilheiros mencionados no comunicado rebelde e acusados de traição são Gerardo Antonio Aguilar, conhecido como "César", e Alexander Farfán Suárez, "Enrique Gafas", que eram responsáveis pelo grupo de reféns e que foram detidos na "Operação Xeque" de 2 de julho.

Santos disse confiar que a principal guerrilha colombiana aceite os pedidos do presidente colombiano, Álvaro Uribe, para negociar.

"Tomara que responda positivamente ao que se vem dizendo: a única coisa que cobramos é a paz. Que sentem para negociar de boa fé. O Governo está disposto a negociar com eles", disse o ministro colombiano. EFE rrm/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.