Ministro chinês diz que dalai lama deve parar de estimular separatismo

Bruxelas, 9 jun (EFE).- O Governo chinês pediu hoje ao dalai-lama que deixasse de estimular o separatismo e a violência na região do Tibete, como passo prévio para novos contatos entre as duas partes.

EFE |

Pequim também reivindica à UE "respeito" ao se referir aos seus assuntos internos e uma relação "de igual para igual".

O pedido ao dalai lama foi feito pelo ministro chinês de Relações Exteriores, Yang Jiechi, após a reunião da troika da UE com a China, realizada em Ljubljana, na Eslovênia.

O encontro abordou as relações bilaterais UE-China, a situação no Tibete e a questão dos direitos humanos, e também foram tratados outros assuntos como a negociação nuclear com a Coréia do Norte e a situação em Mianmar O encontro deixou claro que a cooperação entre China e UE é fundamental para responder a todos os desafios globais, como a mudança climática e a questão nuclear, segundo o Alto Representante da UE para Política Exterior, Javier Solana.

Sobre o Tibete, a UE se mostrou satisfeita com a vontade das autoridades chinesas de dialogar com o Governo tibetano no exílio e apelou de novo a Pequim para que permita o acesso de jornalistas, diplomatas e turistas estrangeiros à região.

O ministro chinês também destacou a intenção de seu Governo de impulsionar os contatos com o dalai lama, mas afirmou que o líder tibetano deveria parar com as reivindicações separatistas e deixar de instigar a violência. EFE epn/bm/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG