Ministro britânico diz que Paquistão é vital à segurança da Índia

Nova Déli, 13 jan (EFE).- O ministro de Relações Exteriores britânico, David Miliband, descartou hoje em Nova Déli que o massacre terrorista de Mumbai estivesse dirigido pelo Estado paquistanês e lembrou à Índia de que a potência nuclear vizinha é vital para sua segurança.

EFE |

Depois de se reunir com seu colega indiano, Pranab Mukherjee, o ministro britânico admitiu, em entrevista coletiva conjunta transmitida ao vivo pela emissora local "NDTV", que os "vínculos paquistaneses" nos ataques estão "claros", mas opinou que estes "não foram dirigidos" por nenhum órgão estatal do país.

"O importante é a resposta do Estado" do Paquistão ao grupo terrorista Lashkar-e-Toiba (LeT), a quem Miliband culpou pelos atentados, que mataram 179 pessoas.

A Índia também responsabilizou o LeT, mas acrescentou que os ataques "devem" ter contado com o apoio de agências oficiais paquistaneses, em clara alusão ao serviço secreto (ISI), algo que hoje o ministro britânico descartou.

Em caso de conflito com a Índia, o Paquistão afirmou que levaria à fronteira tropas atualmente concentradas no combato aos talibãs, na fronteira com o Afeganistão.

Na sexta-feira, o ministro britânico deixa a Índia com destino justamente à capital paquistanesa Islamabad. EFE amp/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG