Ministro acusa as Farc de querer sabotar eleições com policiais disfarçados

Bogotá, 3 mai (EFE).- O ministro de Defesa da Colômbia, Gabriel Silva, disse hoje que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia planejam sabotar as eleições presidenciais do próximo dia 30 de maio com policiais e militares disfarçados.

EFE |

Bogotá, 3 mai (EFE).- O ministro de Defesa da Colômbia, Gabriel Silva, disse hoje que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia planejam sabotar as eleições presidenciais do próximo dia 30 de maio com policiais e militares disfarçados. "Detectamos um esforço do grupo narcoterrorista das Farc de fazer ações terroristas utilizando a modalidade de suplantação, ou seja, disfarçando terroristas de policiais". Ele detalhou que as Farc pressionam movimentos sociais "tanto indígenas como outros, para obrigá-los a elevar o nível de protesto social para afetar os colombianos neste processo". Acrescentou que através de informações reunidas pelo Centro Integrado de Inteligência Eleitoral conseguiram descobrir os planos da coluna móvel "Teófilo Forero" para atacar à população civil nos departamentos de Caquetá e Huila (sul), nos quais as Farc têm forte presença. Silva fez um chamado aos cidadãos para que estejam alertas e relatem qualquer ação que busque desestabilizar a ordem pública, especialmente no dia 30 de maio, dia do primeiro turno das eleições presidenciais. No dia 14 de março os colombianos foram às urnas para renovar o Senado e a Câmara de Representantes (268 no total), e escolher, pela primeira vez de forma direta, seus cinco representantes no Parlamento Andino e os candidatos presidenciais dos partidos Conservador e Verde, que realizaram suas consultas internas. Então, o ministro Silva disse que essas eleições foram as mais tranqüilas em um quarto de século e dispôs de 250 mil policiais e militares desdobrados e no meio de fortes operacionais das forças de segurança. EFE ocm/pb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG