Buenos Aires, 8 abr (EFE).- A ministra da Saúde argentina, Graciela Ocaña, disse hoje que a dengue veio para ficar na América Latina e afirmou que a doença não pode ser evitada, mas sim prevenida.

Ocaña se reuniu hoje com ministros (secretários) de Saúde de municípios da província argentina de Buenos Aires para coordenar ações de controle do mosquito Aedes aegypti e afirmou que o Governo argentino está se esforçando ao máximo para combater o surto de dengue, considerado o pior da história.

Ontem, organizações civis denunciaram que a situação da dengue na Argentina se "descontrolou pelo fracasso na prevenção e no controle" da doença e disseram que o número de casos já chega a 20 mil, frente aos 7.869 confirmados pelo Governo do país.

Até o momento, a dengue matou três pessoas na Argentina, duas na província de Salta e uma em Chaco. Casos de pessoas que morreram com sintomas da doença estão sob investigação.

Ocaña negou ontem que o Governo "esteja escondendo o problema da dengue" por causa das eleições legislativas de junho e admitiu que "ninguém pode ignorar o que está acontecendo".

As províncias argentina mais afetadas pela dengue são Chaco, Salta e Catamarca, todas no norte do país, embora a doença já tenha chegado à região metropolitana de Buenos Aires, onde foram registrados mais de 200 casos. EFE cw/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.