Ministério argentino polemiza ao classificar Malvinas como britânicas

Buenos Aires, 3 out (EFE).- Um mapa publicado em uma revista do Ministério da Defesa da Argentina causou polêmica ao identificar as ilhas Malvinas como Falkland Islands e classificá-las como britânicas e argentinas.

EFE |

A comoção causada foi tamanha que o Ministério da Defesa se viu forçado a elaborar uma nova edição da publicação.

O mapa, que contradiz o pedido de soberania da Argentina sobre as ilhas, foi incorporado no capítulo "A missão das Forças Armadas na Argentina atual" do segundo número da "Revista da Defesa".

"Houve um erro. Colocamos um mapa baixado da internet, que aponta as ilhas como britânicas e argentinas. Assinala as duas posições", declarou hoje à Agência Efe o porta-voz do Ministério da Defesa argentino, Jorge Berneti.

O arquipélago, atualmente sob domínio do Reino Unido, aparece como Falkland Islands e as letras UK, iniciais britânicas em inglês.

"Elaboramos uma edição nova de cinco mil exemplares que começará a circular na segunda-feira", afirmou o porta-voz.

As ilhas Malvinas foram ocupadas pelos britânicos em 1833, que as rebatizaram como Falkland.

Em 1982, a Argentina invadiu o arquipélago para tentar retomá-las, mas, depois de 72 dias, acabou se rendendo, após uma guerra que matou 255 militares britânicos e mais de 650 argentinos.

A derrota contribuiu para encerrar, um ano depois, a ditadura militar que lá vigorava desde 1976.

O Governo argentino reitera há anos sua reivindicação "irrenunciável" de soberania sobre as ilhas.

A presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, afirmou na semana passada em Nova York que é necessário encarar o século XXI "sem colonialismos" e reiterou a reivindicação ao Reino Unido.

Em abril, uma polêmica semelhante foi gerada na província argentina de Salta, que resultou na renúncia de uma ministra.

Um mapa escolar havia sido incluído em uma enciclopédia oficial que identificava as ilhas Malvinas como Falkland Islands e indicava que elas pertenciam ao Reino Unido. EFE ms/jp/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG