Mineiros soterrados no Equador morreram por asfixia

De acordo com médicos legistas, pulmões de operários foram afetados por água e barro que entraram por vias respiratórias

EFE |

Os quatro mineradores que ficaram soterrados em uma mina no Equador morreram por asfixia, disseram nesta quinta-feira médicos legistas que realizaram as autópsias dos corpos.

Os cadáveres de Angel Vera e Pedro Mendoza foram achados na quarta-feira, seis dias depois do acidente ocorrido na região de Portovelo, na província El Oro, fronteiriça com o Peru. No sábado os corpos de Walter Vera e Paúl Aguirre já haviam sido encontrados.

Mendoza e Angel Vera morreram por "asfixia mecânica", explicou o médico legista Eduardo Romero. Ele acrescentou também que esse tipo de morte acontece em condições de confinamento, devido à acumulação de rochas e escombros ao redor e à falta de oxigênio.

Walter Vera e Paúl Aguirre, os dois primeiros operários encontrados, morreram pelo soterramento, devido à avalanche de água e de material.

Romero ressaltou que durante as necrópsias foi constatado que os pulmões dos operários foram afetados pela quantidade de água e barro que entrou por suas vias respiratórias e comentou que as mortes foram "violentas".

Os quatro operários ficaram soterrados a cerca de 150 metros de profundidade na mina Casa Negra na madrugada da última sexta-feira.

    Leia tudo sobre: mineirosequadormina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG