Mineiros presos na Nova Zelândia estão mortos, diz polícia

Segundo explosão de gás metano não deixou sobreviventes na jazida de Pike River nesta quarta-feira, diz superintendente

iG São Paulo |

Todos os 29 trabalhadores presos na mina Pike River, na Nova Zelândia, desde o dia 19 estão mortos, de acordo com autoridades locais.

Segundo o responsável pelas equipes de resgate, Gary Knowles, uma segunda explosão de gás metano na mina, que aconteceu por volta das 14h30 desta quarta-feira (horário local), não deixou nenhum sobrevivente. "Estava perto da entrada da mina e o barulho foi impressionante", afirmou.

Knowles também disse que a prioridade das equipes passa a ser a recuperação dos 29 corpos.

Após ouvir a notícia, dezenas de famílias deixaram a sala de imprensa emocionadas e alguns parentes tentaram agredir os policiais, revoltados com o fato de as equipes de resgate não terem entrado na mina no primeiro momento.

Para especialistas, o alto nível de gases tóxicos tornava arriscada qualquer tentativa de operação. Durante a manhã, uma análise do ar revelou uma concentração de monóxido de carbono e gás metano, além de oxigênio insuficiente.

Autoridades chegaram a enviar sondas com câmeras para o interior da mina, mas nenhum sinal de vida foi encontrado desde a primeira explosão, na sexta-feira. Os mineiros presos tinham idades entre 17 e 62 anos, sendo 24 neozelandeses, dois australianos, dois  britânicos e um sul-africano.

* Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: nova zelândiaminamineiros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG