Minc recebe prefeitos que estão na lista do desmatamento

O Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, recebeu nesta quinta-feira, em Brasília, um grupo de 17 prefeitos, que fazem parte da lista do desmatamento da Amazônia Legal. Ninguém tem orgulho em estar aqui, disse um dos prefeitos presentes.

BBC Brasil |

No total, a lista tem 36 cidades que, no ano passado, foram responsáveis por 50% das perdas florestais na região.

A reunião desta quinta-feira foi uma espécie de preparatório para o encontro que acontece em março, dessa vez com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não estamos aqui para crucificar ninguém", disse Minc. O objetivo, segundo ele, era ouvir dos prefeitos quais os obstáculos para se implementar uma política de desmatamento zero. "Queremos ouvir o que deu certo e o que não deu certo", disse o ministro.

Ao pedirem a palavra, os prefeitos concentraram suas críticas à atuação do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, o Incra.

O prefeito de Querência (MT), Fernando Gorgen, disse que o Incra permite assentamentos de terra "no meio da mata", em regiões sem infra-estrutura. De acordo com os dados do Ministério do Meio Ambiente, o desmatamento no município cresceu 79% em 2008.

"O pai de família é assentado no meio da mata e, se for cumprir a regra ambiental, vai passar fome", disse o prefeito ao ministro Minc. "O próprio governo federal que lhe concede o assentamento, depois vem multá-lo".

De acordo com a lei, os proprietários de terra em áreas florestais são obrigados a preservar, pelo menos, 80% da propriedade. Os 20% restantes estão liberados para a agricultura ou pecuária. A multa para quem desrespeitar a lei varia entre R$ 50 e R$ 500 por dia.

O prefeito de Juína (MT), Altir Antônio Peruzzo, diz que o grande desafio de sua região é o pequeno produtor, que não tem recursos financeiros para sobreviver com 20% da área.

"O grande proprietário não sofre. Eu mesmo tenho uma propriedade de 150 hectares, mas como não dependo dela financeiramente, consigo preservá-la".

Além disso, ele diz que a administração municipal tem outros problemas, ainda mais graves. "Estamos falando de um município onde o saneamento básico é zero. Não temos rede de esgoto".

O Ministério do Meio Ambiente precisa da ajuda dos municípios para implementar o Plano de Nacional de Mudança do Clima. Apresentado em dezembro pelo presidente Lula, o plano prevê metas graduais para a redução do desmatamento. A primeira fase prevê uma redução de 70% até 2017.

"Se não conseguirmos atingir a meta vamos pagar um mico internacional", disse o ministro Minc aos prefeitos.

"Sabemos que não é fácil, que não estamos falando de municípios ricos. O governo federal quer atuar como parceiro e, para isso, precisamos saber quais são as dificuldades".

Durante a reunião, o governo federal entregou aos prefeitos imagens de alta resolução com as áreas mais afetadas pelo desmatamento. As fotos foram tiradas por uma aeronave da Força Aérea Brasileira, equipada especificamente para esse fim - o zoom do radar chega a 6 metros. As imagens foram coletadas de março a outubro de 2008, ao custo de R$ 3,7 milhões.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG