Washington, 1 mai (EFE) - Os Estados Unidos se encontrarão em uma situação de vulnerabilidade durante o período de transição presidencial, advertiu o chefe de Estado-Maior do país, o almirante Michael Mullen. Em entrevista publicada hoje pelo jornal The Washington Post, Mullen advertiu de que a transição política com o presidente que assumir o cargo em janeiro será extraordinariamente complicada do ponto de vista militar, já que os Estados Unidos se encontram imerso em duas guerras, a do Iraque e a do Afeganistão. Além disso, lembrou o alto comandante, os EUA enfrentam a ingerência do Irã em ambos os países. O Irã não vai desaparecer, assegurou Mullen, que acrescentou: Precisamos ser fortes e estar em atitude dissuasória, não ser muito previsíveis. O almirante falou ao mesmo tempo em que o Pentágono anunciou a chegada no Golfo Pérsico de um segundo porta-aviões, o Lincoln, cuja presença enfraquecerá temporariamente a do Harry Truman. Na entrevista, Mullen assegurou que os comandantes militares já preparam a transição para um novo presidente e declarou que pensa constantemente em como evoluirão as decisões de defesa que são tomadas atualmente quando houver um novo governante na Casa Branca. Concretamente, explicou, espera que as mudanças na Administração se desenvolvam a velocidade de guerra e não de paz. Acho que em tempos de guerra é importante que tenhamos o maior número de cargos em seu posto o mais rápido possível, afirmou.

EFE mv/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.