Militante do ETA condenado é solto na Espanha

Um militante do grupo separatista basco ETA foi solto neste sábado após cumprir pena de 21 anos em uma prisão em Madri. Jose Ignácio de Juana Chaos havia sido condenado a 3 mil anos de prisão em 1987, mas a pena máxima permitida pelo Código Penal espanhol é de 30 anos.

BBC Brasil |

Em 2004, o militante teve a pena relaxada e autoridades judiciais decidiram que ele poderia ser liberado no ano seguinte.

Pouco tempo mais tarde, no entanto, ele foi processado por ter publicado artigos jornal Gara contendo ameaças terroristas.

Diante das novas acusações, a Justiça espanhola o condenou a outros 12 anos de prisão, que foram revistos para três depois que as autoridades consideraram que os artigos continham apenas ameaças básicas e enaltecimento ao terrorismo.

Em março de 2007, Juana Chaos pôs fim a quatro meses de greve de fome em repúdio ao tratamento dado a ele pelas autoridades.

Juana Chaos participou de vários ataques praticados pelo ETA, inclusive um dos mais mortais perpetrados pelo grupo até agora - a explosão de um carro-bomba em 1986, que matou 12 policiais da Guarda Civil espanhola em Madri.

O primeiro-ministro espanhol, Jose Luis Zapatero, falou do "desprezo" que seu governo e a nação espanhola sentem pelo militante separatista, mas afirmou que seu governo "deve respeitar a lei".

O ETA já matou mais de 800 pessoas desde que lançou, na década de 60, o movimento para a formação de um estado separatista no nordeste da Espanha e no sudoeste da França.

    Leia tudo sobre: eta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG