Milícias seriam principal fonte de ajuda a refugiados no Iraque, diz entidade

Washington, 15 abr (EFE).- Milícias islâmicas, principalmente a organização do clérigo xiita Moqtada al-Sadr, se tornaram a principal fonte de ajuda humanitária no Iraque, afirmou hoje um relatório do grupo Refugees International.

EFE |

Em um país no qual mais de 2,7 milhões de pessoas abandonaram suas casas em busca de lugares mais seguros, a "falta de ação oportuna e adequada do Governo iraquiano e da comunidade internacional criou um vazio" no qual crescem os serviços prestados por "milícias de todas as denominações".

O grupo Refugees International, com sede em Washington, divulgou seu relatório de 28 páginas no qual afirma que "cinco anos após a invasão liderada pelos Estados Unidos, o Iraque continua sendo uma sociedade profundamente violenta e dividida".

"Os civis iraquianos precisam de ajuda urgente", acrescentou.

"Sem acesso a suas cotas diárias de comida e freqüentemente sem trabalho, vivem em condições esquálidas, esgotaram seus recursos e encontram dificuldades extremas para ter acesso aos serviços essenciais".

Segundo o relatório, com o vazio criado pela falta de ação do Governo do primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, e da "comunidade internacional", "milícias de todas as denominações estão melhorando sua base local de apoio através do fornecimento de serviços sociais nos bairros e cidades que controlam".

"O movimento xiita sadrista (do clérigo Moqtada al-Sadr) se estabeleceu como o principal fornecedor de serviços no país", acrescentou.

"Da mesma forma, outros grupos xiitas e sunitas ganham terreno e apoio com a distribuição de alimentos, óleo combustível, eletricidade, roupas e dinheiro aos civis que vivem em seus redutos".

O relatório advertiu de que estes grupos "têm agora quase um monopólio na assistência em grande escala no Iraque e também recrutam um número cada vez maior de civis para suas milícias, inclusive os iraquianos desalojados de suas casas".

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), os EUA deram mais de US$ 480 milhões em ajuda para os iraquianos desabrigados tanto dentro quanto fora de seu país e dará mais US$ 280 ao Iraque este ano.

O Governo de Maliki deu US$ 15 milhões à Síria, onde se encontram quase 1,5 milhão de refugiados iraquianos.

O Iraque também deu US$ 2 milhões ao Líbano, onde há 30 mil refugiados iraquianos e continua negociando a entrega de US$ 8 milhões à Jordânia, que abriga entre 400 mil e 500 mil iraquianos, segundo dados do Acnur. EFE jab/wr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG