Mogadíscio, 12 nov (EFE).- As milícias do grupo islâmico Al-Shabaab, que os EUA vinculam à Al Qaeda, tomaram hoje a estratégica cidade portuária de Merka, a 90 quilômetros ao sul de Mogadíscio, capital da Somália.

"Nossos combatentes controlam toda a cidade e a governarão segundo a sharia (lei islâmica)", disse à Agência Efe por telefone de Merka, Abdirahman Sheik Ali, segundo comandante do Al-Shabaab, braço militar da antiga União das Cortes Islâmicas (UCI), que dominou a Somália durante quase todo 2006.

A entrada das milícias aconteceu depois de as forças do Governo somali abandonarem ontem à noite a localidade, segundo confirmaram testemunhas em Merka.

"Pudemos ver milicianos islâmicos fortemente armados pelas ruas de Merka, entoando orações e gritando 'Deus é grande'", disse Ali Salah Gabow, um morador que especificou que a entrada das milícias aconteceu sem violência e que alguns dos residentes lhes deram inclusive boas-vindas.

Na terça-feira, os milicianos de Al-Shabaab ocuparam outras duas importantes localidades da região, Qoryoley e Buul Mareer, e da mesma forma que hoje em Merka, não encontraram nenhum tipo de resistência.

O Al-Shabaab voltou a tomar o poder em diversas regiões somalis, depois que o Governo interino de Abdullahi Yousef -com o apoio das tropas etíopes e dos Estados Unidos- expulsou a UCI de Mogadíscio, em dezembro de 2006.

Enquanto os insurgentes tomam mais territórios, os ativistas de direitos humanos advertem que os grupos fundamentalistas islâmicos imporão a seus adversários "castigos cruéis sob a sharia".

A Somália não tem um Governo que controle efetivamente todo o território desde a queda do ditador Mohammed Siad Barre em 1991, quando os chefes de clãs tribais, conhecidos também como "senhores da guerra", tomaram o poder e mergulharam o país numa permanente luta de facções causando milhares de mortos e milhões de refugiados.

EFE.

lsm-pa/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.