Milicianos iraquianos pró-Governo fogem por medo de serem detidos

BAGDÁ - Centenas de milicianos pró-governamentais sunitas fugiram de seus quartéis no nordeste do Iraque por temerem que fossem detidos, por isso teme-se que retornem os grupos rebeldes e terroristas, advertiram neste sábado fontes dos Conselhos da Salvação.

EFE |

"Cerca de 350 milicianos, membros dos Conselhos da Salvação, abandonaram suas posições nas aldeias de Al-Mejaisa, Al-Kabah, Sheiji e Jalabi, perto de Baquba, capital de Diyala" no nordeste do Iraque, disse à imprensa o chefe desta milícia na província, Ghassan al-Hajali.

Hajali disse que os milicianos fugiram após ouvir que havia cerca de 1,2 mil ordens de detenções contra eles. Embora as autoridades iraquianas não tenham confirmado a existência dessas ordens, os chefes tribais afirmam que souberam delas através dos contatos que têm com as forças de segurança.

Os Conselhos da Salvação foram criados em 2006, em Al-Anbar, no oeste do país, para combater a insurgência vinculada à Al Qaeda, e, após o sucesso nesta província, estenderam-se a outras.

Para Hajali, a fuga dos milicianos de Diyala, uma das províncias mais conflituosas, significará o retorno da instabilidade à área, já que "gerará uma fissura no âmbito da segurança, porque facilitará o retorno de grupos armados".

Nesse sentido, pediu às autoridades que avaliem as consequências dessas ordens de detenção, e estudem as informações que a Inteligência oferece à Polícia contra os milicianos e seus dirigentes.

Hajali denunciou que existem planos para levar à prisão os membros das milícias e desfazer os laços entre elas e os corpos de segurança, mas não deu mais detalhes.

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG