Milícia iraniana está invadindo casas, diz ONG

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch acusou neste sábado a milícia iraniana Basij de realizar batidas noturnas, destruir casas e espancar civis. A organização disse que as batidas são uma tentativa de acabar com os gritos contra o governo que são feitos de telhados durante a noite.

BBC Brasil |

A ONG também afirmou que antenas de satélite foram confiscadas ou destruídas para evitar que a população assista a canais de notícias estrangeiros.

"Testemunhas estão nos dizendo que os Bajis estão destruindo ruas inteiras, até mesmo vizinhanças, assim como casas individuais, na tentativa de parar com os gritos noturnos dos telhados", disse a diretora para o Oriente Médio da Human Rights Watch, Sarah Leah Whitson, em um comunicado divulgado no site da organização.

Telhados e varandas
Depois de serem proibidos de realizar manifestações nas ruas, muitos simpatizantes da oposição em Teerã vêm gritando slogans contra o governo em seus telhados e varandas nos últimos dias, sempre a partir das dez horas da noite.

Imagens de vídeos colocados na internet mostram casas reviradas e antenas de satélite destruídas após as batidas.

Um homem entrevistado em um desses vídeos - que não foi gravado pela BBC, mas parece ser autêntico - disse que não pode reclamar com a polícia porque ela própria estaria envolvida na violência.

Enquanto isso, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, atacou novamente o que chamou de intromissão dos Estados Unidos e da Europa.

Falando na TV estatal iraniana, Ahmadinejad voltou a pedir para que o presidente americano Barack Obama não interfira nos assuntos do Irã.

A declaração é uma resposta aos comentários feitos por Obama sobre a crise. Ele se disse chocado e elogiou a coragem dos manifestantes em meio à "revoltante" violência.

Segundo o correspondente da BBC em Teerã, Jeremy Bowen, as autoridades iranianas estão acusando estrangeiros pela instabilidade no país, e acusaram também o líder oposicionista Mir Hussein Mousavi de estar aliado com interesses internacionais.

Mousavi vem pedindo a anulação das eleições que reelegeram o presidente Ahmadinejad.

O órgão que supervisiona as eleições no Irã, o Conselho dos Guardiões, deverá dar sua decisão final sobre o caso neste domingo, mas um porta-voz já disse na sexta-feira que não houve fraude eleitoral no país.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG