Milhões de japoneses sofrem com falta de água e luz

Companhia Tokyo Electric Power dá início aos cortes de eletricidade planejados em áreas próximas à capital do Japão

BBC Brasil |

selo

Milhões de moradores das áreas mais afetadas pelo terremoto na região nordeste do Japão permanecem sem água, comida, eletricidade e gasolina há quatro dias. Segundo a agência de notícias Kyodo News, mais de 500 mil pessoas estão desabrigadas em consequência do terremoto e do tsunami que atingiram o país na última sexta-feira.

As redes de comunicação ainda estão fora do ar em muitas áreas, impedindo que as pessoas possam contactar seus familiares dentro e fora do país. Filas quilométricas se formam em supermercados e postos de gasolina para conseguir suprimentos. Nos abrigos improvisados, milhares sofrem com as baixas temperaturas do inverno.

AP
Loja de conveniência funciona sem iluminação exterior em Tóquio, no Japão (14/03)

O governo japonês deslocou 100 mil soldados para ajudar na distribuição de 120 mil cobertores, 120 mil garrafas de água, toneladas de comida e 111 mil litros de gasolina aos afetados pela catástrofe.

Nesta segunda-feira, a companhia de eletricidade Tokyo Electric Power (Tecpo) deu início aos cortes de eletricidade planejados em áreas próximas à capital, para evitar blecautes. Segundo a Kyodo News, os esforços da região para economizar energia permitiram adiar a operação, que estava prevista para começar no início da manhã, mas só teve início às 17h, no horário local.

O plano, que não tem precedentes na história do país, prevê suspensões de energia durante 3 a 6 horas em regiões alternadas até o fim de abril.

Estima-se que cerca de 45 milhões de pessoas em Tóquio e em outras oito províncias serão afetadas pelos cortes. No entanto, a área central de Tóquio será poupada, já que os escritórios do governo e muitas sedes de empresas funcionam no local.

Explosões

Também nesta segunda-feira, o sistema de resfriamento de mais um reator da usina nuclear de Fukushima voltou a sofrer uma pane , aumentando o risco de superaquecimento, segundo a Kyodo News. Um operador da instalação informou que as barras de combustível do reator nuclear número 2 ficaram completamente expostas, quando a bomba que injetava água do mar para resfriar a instalação parou de funcionar.

Horas antes, os técnicos haviam conseguido estabilizar a situação de superaquecimento com as medidas de emergência, depois que problemas semelhantes causaram explosões nos reatores 1 e 3 da usina.

Segundo o funcionário, o núcleo do reator nuclear número 2 pode estar começando a derreter. De acordo com a Kyodo News, a Tepco informou ao governo japonês que a situação é de emergência.

A empresa disse que a explosão de hidrogênio no reator número 3, que aconteceu no início da manhã, pode ter causado um curto-circuito no sistema de resfriamento do reator 2. O incidente deixou onze feridos, um deles em estado grave.

A Tepco disse ainda que tentará abrir um buraco no muro do edifício que abriga o segundo reator, para evitar o acúmulo de hidrogênio que causou as explosões anteriores. Segundo a agência de segurança nuclear do Japão, a prioridade da empresa continua sendo o resfriamento do reator 2, mas os outros reatores também precisarão de mais injeções de água. A agência diz que os níveis de radiação continuam abaixo dos limites considerados legalmente perigosos. Dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas das proximidades da instalação e 22 estão sob tratamento por exposição à radiação, mas o governo descartou a possibilidade de aumentar a área de evacuação no momento.

Devastação

Uma gigantesca operação foi posta em marcha para resgatar os milhares de mortos e desaparecidos no desastre natural. A repórter da BBC Rachel Harvey, que está na cidade portuária de Minamisanriku, disse que as águas avançaram cerca de 2 km terra adentro, devastando a paisagem com destroços. A repórter disse que o cenário é de extrema destruição e que é improvável que haja muitos sobreviventes.

A agência Kyodo News afirmou que 2 mil corpos foram encontrados na região administrativa de Miyagi nesta segunda-feira. Segundo a TV pública NHK, mil corpos teriam sido encontrados na península de Ojika e mil em Minamisanriku. Com isso, o total de mortos no desastre pode ultrapassar 10 mil, segundo estimativas.

Em Sendai, capital de Miyagi, a 300 km de Tóquio, as equipes de resgate também estão encontrando cenas de devastação. Ainda segundo o canal de TV japonês, aproximadamente 450 mil pessoas tiveram que deixar suas casas nas seis Províncias mais atingidas pelo terremoto.

Réplicas do terremoto de sexta-feira estão sendo registradas na capital japonesa.

Crise

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, disse que o desastre mergulha o país " na crise mais grave desde a Segunda Guerra Mundial ". Estimativas preliminares elevam os custos de recuperação da tragédia em dezenas de bilhões de dólares - um forte golpe para o país, em um momento em que a economia mundial dá sinais de retomada.

O governo afirmou que injetará 15 trilhões de ienes na economia japonesa (mais de US$ 180 bilhões) para dar um sinal positivo para o mercado financeiro, que abriu em queda nesta segunda-feira.

    Leia tudo sobre: japãousina nuclearterremototremortsunami

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG