Milhares vão às ruas em Madagascar para pedir libertação de premiê

Antananarivo, 1 mai (EFE).- Milhares de simpatizantes do presidente deposto de Madagascar, Marc Ravalomanana, voltaram a exigir hoje a libertação do primeiro-ministro designado pelo ex-chefe de Estado, Manandafy Rakotonirina, detido no último dia 29 pelo regime passou a governar o país depois de golpe.

EFE |

Os manifestantes aproveitaram um ato de celebração pelo Dia Mundial do Trabalho na capital Antananarivo para exigir que Rakotonirina e Hanta Randriamandranto, dirigente da seção feminina do partido de Ravalomanana, também detida nesse dia, sejam libertados.

A Alta Autoridade da Transição, Governo golpista liderado pelo ex-prefeito de Antananarivo, Andry Rajoelina, se negou inicialmente a revelar o paradeiro dos detidos, mas após intensa pressão popular e de sindicatos malgaxes, informou que Rakotonirina está preso em Mantasoa, 45 quilômetros ao leste da capital.

Hanta, por sua vez, está na prisão de Ambatolampy, 70 quilômetros ao sul da cidade. E o coronel Harijaona Jacques, chefe da guarda de segurança de Rakotonirina, se encontra na prisão local de Tsiafahy.

Os três foram detidos no escritório que o primeiro-ministro tinha estabelecido no hotel Carlton da capital malgaxe por soldados do Corpo de Administração do Pessoal e Serviços do Exército (Capsat, na sigla em francês).

O Capsat se uniu a Rajoelina e foi protagonista da renúncia forçada de Ravalomanana em 17 de março último, após dois meses de violentas manifestações contra seu Governo lideradas pelo ex-prefeito de Antananarivo, que o acusava de desvio de fundos públicos e de violar a Constituição.

O novo governante de Madagascar anunciou no último dia 3 que o país realizará eleições para a Assembleia Nacional (Câmara Baixa) em março de 2010, presidenciais em outubro desse mesmo ano e municipais e para o Senado em fevereiro e março de 2011, respectivamente. EFE fr/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG