Dezenas de milhares de pessoas se reuniram neste sábado em Ancara diante do mausoléu do fundador da república laica da Turquia, Mustafah Kemal Atatürk, para denunciar a prisão de personalidades laicas acusadas de conspiração contra o governo conservador islâmico.

"A Turquia é laica e continuará sendo", gritaram os manifestantes, que exibiam bandeiras do país.

Professores e estudantes universitários, assim como vários habitantes da capital se uniram ao protesto contra a detenção de intelectuais, entre eles o professor Mehmet Haberal, reitor da privada Universidade Baskent.

Haberal é uma das sete personalidades indiciadas na sexta-feira por um tribunal de Istambul responsável pelo caso Ergenekon, relacionado a uma suposta conspiração destinada a desacreditar o governista Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP, surgido da órbita islâmica) e a provocar um golpe de Estado.

Os laicos veem nesta suposta conspiração uma tentativa de questionamento dos princípios do laicismo.

O caso Ergenekon, que explodiu em junho de 2007, provocou em outubro passado o processo de 86 pessoas (ex-militares, políticos, jornalistas e membros da máfia local).

No mês passado foram abertos processos contra outras 56 pessoas, incluindo dois ex-generais.

BA/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.