Jacarta, 28 jan (EFE).- Milhares de pessoas exigiram hoje em Jacarta e em outras vinte cidades da Indonésia a renúncia do presidente do país, Susilo Bambang Yudhoyono, no dia em que se completam os 100 primeiros dias de seu segundo mandato.

Vários manifestantes foram detidos em frente ao Palácio Presidencial por lançar garrafas de plástico contra a Polícia, além de realizar bloqueios no trânsito e queimar retratos do líder.

As forças de segurança mobilizaram na capital indonésia 10 mil agentes, um número que no final ficou quase superior ao de manifestantes, segundo as autoridades.

Esta é a segunda jornada de mobilizações contra Yudhoyono desde sua reeleição, em julho do ano passado.

Os protestos mais numerosos foram pelo polêmico resgate financeiro que o Governo fez com o Bank Century no final de 2008, durante o pior da crise financeira.

O Executivo concedeu à entidade 6,7 trilhões de rúpias (US$ 720 milhões), uma quantidade dez vezes maior à inicialmente aprovada.

Os críticos consideram que a intervenção não era justificada economicamente porque a falência do banco não teria alterado o sistema financeiro indonésio e apontam, embora sem apresentar provas, que parte do dinheiro financiou a campanha eleitoral do próprio Yudhoyono.

O presidente, um general reformado de caráter reformista, foi reeleito com facilidade no ano passado, mas arruinou seus apoios desde a explosão do escândalo.

As mensagens do protesto também continham denúncias de corrupção no Executivo, palavras contra o neoliberalismo e a favor da revolução. EFE jpm/sa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.