Milhares de indianos continuam isolados pelas inundações

Mais de 800.000 pessoas foram resgatadas no nordeste da Índia, vítimas das piores inundações na região nos últimos 50 anos, mas outros milhares continuam isolados, anunciaram nesta sexta-feira as autoridades locais.

AFP |

"A fase essencial das operações de evacuação concluiu com a retirada de mais de 800.000 pessoas, 280.000 das quais se encontram em acampamentos de refugiados", declarou Nitish Mishra, ministro do Estado de Bihar, encarregado da gestão de catástrofes naturais.

"Foram operações de resgate sem precedentes não apenas na Índia, como também no mundo", afirmou Mishra, acrescentando que entre 50.000 e 100.000 flagelados ainda estão isolados pelas inundações, sem comida ou bebida.

Segundo as organizações humanitárias indianas e internacionais, estas vítimas sobrevivem em condições dramáticas e por isso pedem uma mobilização geral e uma aceleração das operações de resgate.

Tradicionalmente, a Índia rejeita qualquer tipo de ajuda internacional, mas esta semana anunciou que o noroeste do país precisa de ajuda internacional do nível da liberada para as vítimas do tsunami em dezembro de 2004 na Ásia, conforme explicou Nitish Mishra.

"Precisamos de um apoio das organizações internacionais parecido com o concedido na ocasião do tsunami (de 26 de dezembro de 2004 nos países do oceano Índico), do terremoto de Gurajat, oeste da Índia (em 2001)", declarou o ministro.

Cerca de 600.000 pessoas foram socorridas neste estado pobre de Bihar e 200.000 foram levadas para acampamentos, mas 350.000 continuam sem água potável e sem alimentos.

Agora centenas de milhares de pessoas alojadas nestes acampamentos correm sérios ricos de contrair doenças, depois do registro de 100 mortos em duas semanas.

As chuvas torrenciais da temporada em Bihar, na fronteira com o Nepal, transbordaram o rio Kosi em 18 de agosto, invadindo o leito de rio seco e matando a população local.

Neste novo delta, centenas de povoados foram submersos e seus habitantes estão isolados perto de Madhepura e Saharsa, a 150 km da capital regional Patna.

Três milhões de indianos foram afetados de diversas formas, calculou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O nível da água não deve baixar em menos de um mês e ninguém sabe quando o Kosi vai recuperar seu curso normal, advertiu o primeiro-ministro de Bihar, Nitish Kumar.

Desde junho, em toda a Índia, as tempestades mataram mais de 800 pessoas, 700 delas no estado setentrional de Uttar Pradesh, o mais povoado do país com 180 milhões de habitantes.

Cada ano, entre junho e setembro, no norte e no leste do subcontinente, as chuvas da temporada transbordam rios e riachos, matando centenas de pessoas, destruindo casas e inundando arrozais e criações de gado.

Leia mais sobre Índia

    Leia tudo sobre: índia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG