Por Lefteris Papadimas e Ingrid Melander

ATENAS (Reuters) - Manifestantes enfurecidos atearam fogo em latas de lixo e em duas TVs ao lado de carros de emissoras em Atenas, enquanto milhares de gregos protestavam pela capital no Dia do Trabalho contra as medidas de austeridade que, segundo eles, só prejudicam os mais pobres.

" /

Por Lefteris Papadimas e Ingrid Melander

ATENAS (Reuters) - Manifestantes enfurecidos atearam fogo em latas de lixo e em duas TVs ao lado de carros de emissoras em Atenas, enquanto milhares de gregos protestavam pela capital no Dia do Trabalho contra as medidas de austeridade que, segundo eles, só prejudicam os mais pobres.

" /

Milhares de gregos protestam contra medidas de austeridade

Por Lefteris Papadimas e Ingrid Melander

ATENAS (Reuters) - Manifestantes enfurecidos atearam fogo em latas de lixo e em duas TVs ao lado de carros de emissoras em Atenas, enquanto milhares de gregos protestavam pela capital no Dia do Trabalho contra as medidas de austeridade que, segundo eles, só prejudicam os mais pobres.

Reuters |

Por Lefteris Papadimas e Ingrid Melander

ATENAS (Reuters) - Manifestantes enfurecidos atearam fogo em latas de lixo e em duas TVs ao lado de carros de emissoras em Atenas, enquanto milhares de gregos protestavam pela capital no Dia do Trabalho contra as medidas de austeridade que, segundo eles, só prejudicam os mais pobres.

Em uma das manifestações, a polícia atirou duas ou três séries de bombas de gás lacrimogêneo contra 20 manifestantes que tentavam chegar até o Parlamento. As pessoas que protestavam recuaram e a passeata, que de resto foi pacífica, continuou, informou uma testemunha da Reuters.

Lojas fecharam, navios permaneceram nos estaleiros e as ruas da capital ficaram vazias, exceto pelos manifestantes que marchavam em direção ao Parlamento, a poucos metros do Ministério das Finanças, onde autoridades da União Europeia e do FMI (Fundo Monetário Internacional) se reuniram durante dias para acertar uma nova rodada de medidas de austeridade.

"Não à junta do FMI", gritavam os manifestantes, numa alusão à junta militar que governou a Grécia de 1967 a 1974. "Não toquem nos nossos direitos! Fora FMI e UE!", também cantavam os participantes do protesto.

Um pedido comum entre muitos dos que foram entrevistados era por punição aos responsáveis pela maior crise da Grécia em décadas, em um país onde escândalos de corrupção e sonegação de impostos são comuns.

"Devíamos jogar todos os corruptos no mar, todas as pessoas e políticos que são responsáveis por esta crise", afirmou Sotiris Oikonomou, de 58 anos, que trabalha com seguros.

Com estimativas iniciais da polícia de que 17.000 pessoas estariam nos protestos, a adesão parecia ser igual a das manifestações anteriores. Alguns entrevistados estavam conformados de que o governo seguirá em frente com as reformas.

"Não espero que mude algo com esta marcha. Lutamos apenas pela nossa dignidade", afirmou Oikonomou.

A Grécia, que tem um PIB (Produto Interno Bruto) de 240 bilhões de euros (cerca de 320 milhões de dólares), viu sua economia entrar em recessão no ano passado e está preparando mais de 20 bilhões de euros (26,64 bilhões de dólares) em cortes orçamentários nos próximos dois anos para ter acesso a um pacote de ajuda da UE e do FMI no valor de 120 bilhões de euros.

O pacote tem o objetivo de tirar a Grécia de uma grave crise da dívida que prejudicou o euro e os mercados em todo o mundo. Outra meta é evitar que essa crise avance até outros países da zona do euro.

Ministros das Finanças da zona do euro discutirão o assunto no domingo. Christine Lagarde, ministra da Economia da França, afirmou que espera um acordo até o final do domingo.

Analistas dizem que os protestos podem aumentar após o verão europeu, quando o impacto das medidas de austeridade chegar, e investidores estão preocupados de que esse fato possa obstruir as reformas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG