Milhares de combatentes do Hamas enfrentam a ofensiva israelense

GAZA - Ante a ofensiva terrestre de Israel, o Hamas dispõe de milhares de combatentes, com armamentos reforçados pelos estoques abandonados pelo rival, o Fatah, expulso durante combates entre os dois movimentos no ano passado em Gaza.

AFP |

Assim, a organização islamita recuperou armas leves de fabricação americana e munição, segundo um relatório sobre o Hamas preparado por um país ocidental.

O Hamas, ainda segundo o relatório e as conclusões do Instituto para a Política do Oriente Médio, de Washington, adquiriu mísseis antitanque e aprendeu com o Hezbollah, durante a guerra do verão de 2006 no Líbano, essencialmente a técnica de minar estradas e as táticas de guerrilha.

Suas principais armas contra Israel são, no entanto, foguetes dos tipos Qassam e Grad, de fabricação chinesa. Milhares desses artefatos foram lançados contra Israel desde que o Hamas assumiu o poder, em Gaza, em junho de 2007.

Desde o início dos bombardeios, no dia 27 de dezembro, mais de 500 foguetes foram lançados pelo Hamas em direção ao sul de Israel, atingindo cidades como Ashdod, a 30 km da fronteira, e Ashkelon, a 13 km ao norte de Gaza.

O chefe dos serviços especiais - o Shin Beth - Yuval Diskin, advertiu o gabinete durante a semana que o Hamas dispõe, além disso, de foguetes de um alcance de 40 km.

Militares israelenses estimam que os componentes necessários à elaboração de centenas desses artefatos foram introduzidos em Gaza pelos túneis de contrabando que levam ao Egito - entre eles muitos foram destruídos durante a semana pela aviação israelense.

O Hamas pode contar com cerca de 13.000 combatentes, segundo Israel, entre os quais um grupo de elite formado por mil homens, as brigadas Ezzedine al-Qassam, cujo nível de treinamento iguala o dos combatentes do Hezbollah.

Efraim Inbar, diretor do Centro de Estudos Etratégicos Begin-Sadate na Universidade de Bar-Ilan, assegura que "as forças do Hamas foram treinadas no Irã e pelo Hezbollah no exterior. São bem organizads mas não possuem, ainda, uma verdadeira experiência de fogo".

    Leia tudo sobre: gaza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG