Microsoft adotará postura agressiva contra concorrentes

Julio César Rivas Houston (EUA), 8 jul (EFE).- A Microsoft iniciou hoje em Houston sua primeira conferência mundial de parceiros desde a saída de Bill Gates do comando da empresa.

EFE |

A companhia passa por uma profunda transformação e mostrou que vai endurecer sua posição contra concorrentes.

A saída de Gates da empresa criada por ele em 1975 deixou livres os diretores da Microsoft que estão dispostos a fazer com que a gigante da informática adote táticas mais agressivas em relação ao mercado.

Diante dos mais de 10 mil parceiros vindos de todo o mundo, alguns dos principais executivos da Microsoft também defenderam de forma apaixonada as virtudes do sistema operacional Windows Vista, que qualificaram como o mais seguro em toda a história.

Stephen Elop, presidente da Divisão Empresarial da empresa, disse que a nova estratégia da empresa está causando "uma transformação real" e profundas mudanças tanto para parceiros quanto para clientes, mas que também gera "uma grande oportunidade" para todos.

"Nosso negócio está mudando. Minha missão é facilitar de forma agressiva, através desta mudança geracional, a transição tanto para nossos clientes quanto para nossos parceiros e para todos na Microsoft", afirmou.

Um destas mudanças é a atitude que a Microsoft terá a partir de agora perante seus rivais. "O gigante adormecido despertou", afirmou um dos diretores.

Em referência à campanha publicitária na qual a Apple desdenha do Windows Vista, Brad Brooks, vice-presidente corporativo de marketing de produtos de consumo Windows, disse que "há muitos mitos" sobre o novo sistema operacional.

"A história é muito diferente do que nossos concorrentes querem dizer aos consumidores. A partir de hoje, vamos fazer as coisas de forma diferente", disse.

Brooks qualificou a Apple de "concorrente barulhenta" e afirmou que a maioria dos usuários do Vista "têm uma boa experiência e o produto está melhorando".

Seus dados mostram que o Vista tem 20% de problemas de segurança a menos que o Windows XP, sistema operacional que a Microsoft começou a deixar de vender no início do mês. Além disso, há 60% menos chances de ser infectado por um malware, e o Internet Explorer 7 está bloqueando 1 milhão de ataques phishing por mês.

Apesar do que foi dito por Brooks e dos números exibidos, a Microsoft também reconheceu que muitos clientes e parceiros tiveram problemas para adotar o novo sistema operacional e abandonar o XP.

O executivo defendeu que "agora é o momento para mudar para o Windows Vista" e que as preocupações que muitos parceiros e clientes tinham sobre o sistema operacional são coisas do passado.

Estas palavras são mais um exemplo das dificuldades que a Microsoft teve para convencer parte de seus clientes sobre a necessidade de substituir o XP pelo Vista.

No ano passado, a empresa já se viu obrigada a atrasar a retirada do XP do mercado, diante da recusa de muitos consumidores, tanto individuais quanto corporativos, em substituir o sistema operacional.

Hoje os diretores da Microsoft tentaram convencer os céticos, ao destacar que a adoção do Vista agora "é um investimento a longo prazo" que prepara o caminho para a próxima geração do sistema operacional da companhia e que, por enquanto, é chamado de Windows 7.

A Microsoft também deixou claro que vai prestar atenção ao mercado de telefonia celular, um setor que oferecerá uma das maiores oportunidades de lucro nos próximos anos.

Andy Lees, vice-presidente sênior de negócios e comunicação móvel, previu que o setor vai sofrer uma mudança no modelo empresarial nos dois próximos anos e que, nesse período, a telefonia celular experimentará um crescimento de 26%, superando o de vendas de PC. EFE jcr/rb/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG