Tegucigalpa, 8 jan (EFE).- O presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, expressou hoje seu receio de que o líder venezuelano, Hugo Chávez, contrate um assassino para matá-lo.

"Muitos dos nossos funcionários estão realmente preocupados, assim como minha família, claro, sobre o que pode acontecer logo que nós deixarmos o poder, onde no momento temos muita segurança que nos protege, mas no futuro não sabemos o que pode acontecer", disse Micheletti à rádio hondurenha "HRN".

"Não tememos muito os vagabundos daqui que andam por essas bandas, mas um assassino profissional que Hugo Chávez pudesse, logicamente com muita facilidade, pagar no exterior ou qualquer um dos inimigos da democracia", acrescentou o presidente interino de Honduras.

"Nós confirmamos que um cidadão venezuelano fez ofertas e que inclusive se mudou para La Mosquitia (no Caribe hondurenho). Foi então que descobrimos que havia uma oferta de US$ 1 milhão para me assassinar", ressaltou Micheletti, reiterando também que deixará o poder em 27 de janeiro.

Ele destacou que entrega seu futuro e outras coisas "nas mãos de Deus", e que ele somente cumpriu com seu dever, com sua obrigação como cidadão.

"Eu vou me proteger, mas o que vai acontecer daqui para frente é um destino de Deus e nós vamos continuar trabalhando em nosso partido (Liberal)", expressou Micheletti, que por designação do Parlamento hondurenho substituiu o presidente deposto do país, Manuel Zelaya, em 28 de junho do ano passado.

"Vou assumir a presidência do Conselho Central Executivo (do Partido Liberal) e vamos limpar os comunistas ou pseudocomunistas que há dentro do partido para que seja um partido verdadeiramente democrático como sempre foi", ressaltou. EFE gr/sa/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.