Micheletti justifica os militares e insiste que não houve golpe de Estado

Tegucigalpa, 28 jun (EFE).- Roberto Micheletti, designado pelo Parlamento como novo presidente de Honduras, justificou hoje que os militares detivessem e deportassem o destituído Manuel Zelaya, e assegurou que a mudança de chefe de Estado no país não significou um golpe de Estado.

EFE |

Em sua primeira entrevista coletiva após ser investido pelo Parlamento que dirigia até hoje, Micheletti insistiu em que Zelaya foi "substituído" mediante um procedimento fixado na Constituição, depois que os militares o tirassem à força do cargo e do país.

Zelaya foi detido na madrugada de hoje por militares e tirado à força do país rumo à Costa Rica, onde denunciou o golpe de Estado contra si.

Micheletti justificou a ação contra Zelaya em que este cometia um "flagrante delito" ao impulsionar uma consulta declarada ilegal por diversos órgãos do Estado e que ia acontecer neste domingo na busca de respaldo para instalar uma Assembleia Constituinte. EFE lam-jlp-gr/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG