Tegucigalpa, 3 ago (EFE).- O novo presidente de Honduras, Roberto Micheletti, evitou hoje antecipar uma data para dar uma resposta ao líder da Costa Rica, Óscar Arias, sobre o Acordo de San José proposto para resolver o conflito no país, após a deposição de Manuel Zelaya.

A comissão na mesa de mediação "está se preparando, estamos reunindo a informação que temos", respondeu vagamente à imprensa, ao ser questionado sobre o assunto, durante um ato de homenagem à bandeira.

Micheletti insistiu que deve se reunir com "o setor privado e os diferentes setores da sociedade civil" para obter sua opinião sobre a proposta de Arias, que estabelece a restituição de Zelaya como presidente à frente de um Governo de unidade, possibilidade que Micheletti rejeitou várias vezes.

Apesar de boa parte da comunidade internacional insistir que o Acordo de San José seja a única saída satisfatória à crise, Micheletti quer que representantes vão a Honduras para constatar que a situação é de normalidade e que não existe nenhum conflito.

"O que nós queremos aqui é gente que realmente venha para se dar conta do que está acontecendo. Há uma desinformação internacional incrível", disse.

Micheletti atribuiu esta desinformação à imprensa internacional e às declarações de Zelaya desde sua deposição e expulsão do país, assegurando que "há mortos em Honduras, que há feridos, que há um confronto permanente, que não há liberdade de expressão, que não há liberdade de imprensa".

"Isso é uma mentira, é falso e nós queremos que toda a imprensa transmita a paz e tranquilidade que realmente há no país", afirmou.

Desde o início da crise, quatro pessoas morreram, pelo menos três deles seguidores de Zelaya, e dezenas ficaram feridas em consequência do conflito que explodiu no país no dia 28 de junho, quando o Exército expulsou o governante do país e o Parlamento nomeou Micheletti em seu lugar. EFE pa/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.