Micheletti diz que não haverá anistia se Zelaya voltar a Honduras

Washington, 30 ago (EFE).- O presidente em funções de Honduras, Roberto Micheletti, criticou hoje um relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre a crise em seu país, e disse que seu Governo não concederá anistia ao deposto líder, Manuel Zelaya.

EFE |

Em entrevista via satélite de Tegucigalpa, transmitida pela rede "Univisión", Micheletti foi enfático ao indicar que, "em nosso país, não aceitamos anistia de nenhuma natureza".

"Acho que todos temos a obrigação de cumprir a lei quando tivermos que nos responsabilizar pelos fatos incorretos que fizemos.

Não acho que haja uma justificativa para isso", afirmou Micheletti, instalado no poder após o golpe contra Zelaya, em 28 de junho.

Micheletti insistiu na legitimidade de sua Presidência e em que não houve golpe de Estado em seu país, como alega a comunidade internacional, mas uma "sucessão constitucional" na qual o Congresso o nomeou à frente do Governo.

O novo governante concedeu a entrevista no momento em que Zelaya prevê retornar a Washington ainda esta noite, segundo fontes da embaixada hondurenha, para continuar as negociações para resolver a crise política em seu país e conseguir seu restabelecimento no poder.

Micheletti, que se mostra reticente em aceitar a restituição de Zelaya antes das eleições de 29 de novembro, disse que o que seu país negocia, com a mediação da OEA, é "buscar uma forma de que, em nosso país, todo mundo se responsabilize pelos danos que fez à sociedade", sem direito a "imunidade".

Insistiu em que "ninguém proíbe" Zelaya de retornar a Honduras, mas, se fizer isso, terá que se apresentar diante dos tribunais para responder pelos erros que seu Governo lhe atribui. EFE mp/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG