Micheletti diz que não chega à Presidência de Honduras com golpe de Estado

Tegucigalpa, 28 jun (EFE).- O novo presidente de Honduras, Roberto Micheletti, nomeado pelo Congresso depois de os militares retirado Manuel Zelaya do comando do país à força, assegurou hoje que não chega ao cargo sob a desonra de um golpe de Estado.

EFE |

"Chego à Presidência como produto de um processo de transição absolutamente legal", afirmou Micheletti, agora ex-presidente do Congresso, durante o ato de juramento em uma sessão extraordinária no Parlamento unicameral hondurenho.

A nomeação de Micheletti aconteceu depois de as Forças Armadas deterem e deportarem Zelaya para a Costa Rica na madrugada de hoje, em meio a uma grande crise política por uma consulta popular impulsionada pelo governante derrubado.

A saída de Zelaya foi condenada pela comunidade internacional e em particular pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

"Nosso Exército só cumpriu com a função que lhe foi ordenada pela Corte Suprema de Justiça e pelo sentimento maior do povo hondurenho", disse Micheletti, que insistiu em seu discurso nas palavras de elogio para as Forças Armadas.

O novo presidente acrescentou que é consciente da "imensa responsabilidade que significa administrar" o país, e manifestou a "promessa sagrada de atuar com transparência e honestidade, a fim de restabelecer a paz e tranquilidade que perdemos". EFE jlp/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG