Tegucigalpa, 28 ago (EFE).- O presidente de Honduras, Roberto Micheletti, afirmou hoje que as Forças Armadas garantem a segurança nas eleições de novembro e reiterou que renunciará se o líder deposto Manuel Zelaya desistir de voltar ao país.

Micheletti completa hoje dois meses no poder por escolha do Parlamento, depois que Zelaya foi deposto pelos militares em 28 de junho, e ressaltou que recentemente analisou com os chefes militares os planos de segurança do país.

"No assunto das eleições gerais, falamos com os comandantes que vai haver uma segurança e proteção a todos os cidadãos que vão votar no dia 29 de novembro", declarou o governante à rádio "HRN", de Tegucigalpa.

"Por isso, faço um apelo à população para que vote no dia 29 de novembro, que eleja um novo presidente e possamos dar garantia ao mundo inteiro de que estamos atuando com democracia e com responsabilidade", acrescentou.

O movimento popular que respalda Zelaya anunciou na quinta-feira uma campanha contra as eleições que tem como objetivo fazer com que a comunidade internacional não reconheça os resultados nem o novo Governo que assumir em 27 de janeiro de 2010 caso o deposto chefe de Estado não seja reinstalado no poder.

"Quero garantir que dia a dia vamos ir melhorando a tranquilidade no país", disse Micheletti, e afirmou que com os militares foram estudadas mais medidas "para poder dar segurança à população (...) em uma harmonia absoluta Polícia-Exército".

Micheletti reiterou também sua disposição de renunciar à Presidência se Zelaya desistir de retornar ao país para voltar ao poder, e que sugeriu que uma terceira pessoa assuma a Chefia de Estado, de acordo com a Constituição hondurenha. EFE lam/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.