Micheletti descarta volta de Zelaya ao poder em Honduras

Tegucigalpa, 3 ago (EFE).- O presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, disse hoje que o governante deposto Manuel Zelaya nunca poderá voltar a assumir a Presidência enquanto continuar ameaçando organizar guerrilhas a partir da Nicarágua.

EFE |

Uma declaração de Micheletti, divulgada pela Casa Presidencial em comunicado, indica que Zelaya não poderá retornar ao poder, "porque declarou fracassada a mediação e a opção negociada", patrocinada pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias.

"Nunca poderá voltar por uma rota do diálogo, enquanto continuar ameaçando organizar guerrilhas desde acampamentos na Nicarágua, com o apoio dos senhores Daniel Ortega, Hugo Chávez (presidentes da Nicarágua e da Venezuela) e das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)", acrescenta a nota oficial.

Até agora, Micheletti não tinha envolvido as Farc na crise vivida por Honduras, embora na semana passada a guerrilha colombiana tenha condenado o golpe de Estado contra Zelaya.

Micheletti afirmou que Zelaya também não pode voltar "enquanto se empenhar em trazer violência, banho de sangue e morte ao povo hondurenho".

Ele rejeitou que o governante deposto volte enquanto Ortega e Hugo Chávez "violarem a Carta das Nações Unidas, a Carta da OEA (Organização dos Estados Americanos), os Acordos de Esquipulas II e o Tratado de Segurança Democrática Centro-Americana".

"Todas as partes envolvidas deveriam perceber os perigos que estas ações representam para a paz e a segurança internacionais", ressalta a declaração de Micheletti, que foi designado presidente de Honduras pelo Parlamento, depois do golpe de Estado contra Zelaya, em 28 de junho.

Em 31 de julho, Zelaya anunciou na Nicarágua que se o golpe de Estado contra si não se reverter, "virá uma violência generalizada" a Honduras.

Perante a crise política no país, a OEA estuda a possibilidade de enviar uma missão de alto nível, que poderia estar composta por chanceleres latino-americanos, para tentar conseguir um acordo que permita resolver a atual situação. EFE gr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG