Micheletti descarta invasão da embaixada e envia abraço a Lula

O presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, reafirmou nesta segunda-feira que não haverá invasão da embaixada do Brasil em Tegucigalpa, e enviou um forte abraço ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

AFP |

Micheletti confirmou as declarações da véspera de seu chanceler, Carlos López, de que o governo de fato respeitará a imunidade da embaixada do Brasil, apesar do ultimato para que Brasília defina o status do presidente deposto, Manuel Zelaya, em sua sede diplomática.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva "não tem com que se preocupar, porque a polícia de Honduras jamais violará os domínios" da embaixada brasileira, disse Micheletti.

"Apenas fizemos uma advertência porque acreditamos ser injusto, algo inédito na história, que se permita a alguém que pediu abrigo ou asilo que saia nas janelas e nas varandas (de uma embaixada) para incentivar a violência".

"É isto que nos deixa muito preocupados, mas quero enviar a Lula um forte abraço, com o carinho e o respeito que sempre tivemos por todos os países do mundo".

No domingo, o governo de fato ameaçou retirar o status diplomático da embaixada brasileira diante da indefinição do Brasil sobre a situação de Zelaya na sede diplomática em Tegucigalpa.

"Se em 10 dias não definirem o status de Manuel Zelaya, a sede perderá sua condição de diplomática, mas, por cortesia, não planejamos invadir o local", disse o chanceler Carlos López.

Segundo López, se o Brasil não definir o status de Zelaya, Honduras poderá declarar, "por presunção", sua condição de exilado político, após o qual o presidente deposto poderá ficar no prédio da embaixada.

Na condição oficial de exilado, Zelaya ficaria impedido de exercer qualquer atividade política na embaixada brasileira.

nl/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG