Micheletti anuncia toque de recolher e que está disposto a receber Zelaya

Tegucigalpa, 28 jun (EFE).- O novo presidente de Honduras, Roberto Micheletti, anunciou hoje um toque de recolher de pelo menos 48 horas a fim de que o país recupere a tranquilidade, no meio da crise causada pela abrupta saída da Presidência e do país de Manuel Zelaya, a quem está disposto a receber se quiser retornar.

EFE |

O toque de recolher será vigente hoje e amanhã de 21h às 6h (de 0h a 9h de Brasília), disse Micheletti em entrevista coletiva após ser investido como presidente em um dia que começou com a detenção e deportação de Zelaya.

Ele afirmou que analisará se a medida, que deve ser ratificada pelo Parlamento, vai se estender por mais tempo.

Micheletti, até hoje presidente do Congresso, assegurou que receberia "com muito gosto" o deposto Manuel Zelaya se ele então desejar retornar, mas sem o apoio do governante da Venezuela, Hugo Chávez.

"Acho que se ele, então deseja retornar ao país (...) sem apoio de dom Hugo Chávez, nós, com muito gosto, vamos recebê-lo de braços abertos", disse Micheletti na entrevista coletiva.

Chávez expressou seu respaldo a Zelaya, quem em 2008 aderiu Honduras à Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), iniciativa do governante venezuelano integrada também por Cuba, Nicarágua, Dominica e Equador, entre outros países.

Micheletti insistiu em que a Zelaya não foi derrubado mediante um golpe de Estado, mas foi "substituído" mediante um procedimento estabelecido na Constituição.

Justificou a ação contra Zelaya em que este estava cometendo um "delito flagrante" ao impulsionar uma consulta, declarada ilegal por diversos órgãos do Estado, que ia ser feita hoje na busca de respaldo para instalar uma Assembleia Constituinte.

"Quando há um delito flagrante se tem a autoridade e a obrigação de deter essa pessoa, e houve um delito flagrante, e por isso foi tomada a determinação", argumentou.

"Não houve nada ilegal", assegurou, e ressaltou que conta com o respaldo de todas as forças políticas do país.

Micheletti também disse que, até agora, não há contato com nenhum governante da América Latina.

Também anunciou que o ex-embaixador nas Nações Unidas e na França, Enrique Ortez Colindres, será seu ministro das Relações Exteriores, substituindo Patricia Rodas.

Posteriormente, disse, anunciará os demais membros de seu gabinete e não descartou ratificar alguns do Governo de Zelaya.

Micheletti, do governante Partido Liberal, foi eleito pelo Parlamento, que dirigia até hoje, em substituição de Zelaya, que proclamou na Costa Rica que continua sendo o presidente de Honduras.

EFE lam/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG