Micheletti anuncia saída de Casa Presidencial, mas sem deixar o poder

O presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, sairá nesta quinta-fera da Casa Presidencial, mas não do poder, o que fará no próximo dia 27, quando assume o governante eleito, Porfirio Lobo.

EFE |

"Esta é nossa posição. Eu não quero que o povo interprete (outra coisa) porque isto não é uma renúncia, mas um movimento similar ao feito para as eleições gerais (em novembro passado)", ressaltou Micheletti à televisão local.

O presidente de fato acrescentou que ele viu "movimentos meio raros" nos últimos dias, sobre os quais não explicou detalhes e, por isso, decidiu "dar mais uma satisfação ao povo hondurenho".

"Vou deixar o cargo, ficar um pouco de lado para que o novo governo possa trabalhar", enfatizou o presidente de fato ao "Canal 5", em Tegucigalpa, acompanhado de sua esposa, Siomara Girón.

Micheletti lembrou que primeiro tinha pensado em ficar na Casa Presidencial até 27 de janeiro, quando completa o mandato do deposto presidente, Manuel Zelaya e assume Porfirio Lobo.

"No entanto, não vamos fazê-lo. Na manhã daquele dia, vamos à igreja enquanto estiverem colocando a faixa presidencial no presidente eleito", disse Micheletti.

O presidente de fato reiterou que quer dar "tranquilidade à nação" e acusou Lobo de "fazer pressões" para que ele fique de lado do poder.

"Volto a dizer: qualquer circunstância que me obrigue a voltar imediatamente à Casa Presidencial, vou fazê-lo", enfatizou Micheletti, que, além disso, anunciou que hoje realizará o último Conselho de Ministros de seu governo, "para aprovar as atas que ficaram suspensas".

O governante de fato se retirará hoje da Casa Presidencial ao terminar o Conselho de Ministros, durante a tarde.

"Dessa forma concluímos de uma forma séria, responsável, tal como é o governo, não vou a nenhum ato público, a nenhuma outra reunião. Vou tratar de evitar qualquer justificativa que tenha este governo (o de Lobo) ou os internacionais para dizer que eu sou objeto de uma interrupção nos casos que possam acontecer daqui pra frente", disse.

Micheletti assumiu o poder em 28 de junho de 2009, após o golpe de Estado nesse mesmo dia contra Manuel Zelaya, que permanece abrigado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa desde 21 de setembro passado.

Zelaya poderá viajar em 27 de janeiro à República Dominicana com um salvo-conduto que lhe concederá Porfirio Lobo.

Ontem, o presidente eleito assinou em Santo Domingo um acordo nesse sentido com o governante do país caribenho, Leonel Fernández.

    Leia tudo sobre: honduras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG