Nova York, 26 jun (EFE).- Michael Jackson acumulava uma dívida superior a US$ 500 milhões e confiava em sua volta aos palcos em julho para superar seus problemas financeiros, que o levaram a hipotecar ou vender grande parte de suas posses.

Segundo a edição de hoje do "The Wall Street Journal", as dívidas de Michael chegaram a esse valor mesmo depois de o artista ter vendido quase 750 milhões de discos e tenha arrecadado cerca de US$ 700 milhões em quatro décadas de atividade.

Seu advogado, Brian Oxman, explicou em entrevista que a cifra exata "é algo que Michael sempre manteve em segredo, mas era um número considerável que estava administrando, e o estava fazendo bem".

Nesse sentido, deu como exemplo seu catálogo musical, que "é um dos mais valiosos da indústria do entretenimento, se não o mais valioso".

Segundo Oxman, "há oito ou dez meses, a Sony/ATV (a "joint venture" formada pelo artista e pela empresa Sony) comprou sucessos musicais por US$ 400 milhões em dinheiro".

A rede de televisão americana "CNBC" assegurou hoje que, em conjunto, o valor dos ativos de Michael, falecido nesta quinta-feira em Los Angeles, pode passar de US$ 1 bilhão.

No entanto, durante o julgamento contra ele em 2005, ficou comprovado que suas despesas anuais superava sua renda em US$ 30 milhões, a qual caiu após as acusações de abuso de menores, e também devido a seus investimentos em propriedades, aquisição de animais exóticos e objetos de colecionador.

Aparentemente, o cantor tinha comprometido grande parte de seu capital para pedir dinheiro emprestado, como ocorreu com parte do catálogos das canções dos Beatles, que utilizou para garantir um empréstimo de US$ 200 milhões.

No ano passado, Michael vendeu seu famoso rancho Neverland, na Califórnia, a uma "joint venture" formada por ele mesmo e pela empresa Colony Capital, que comprou a hipoteca da propriedade no valor de US$ 24 milhões, para evitar que tivesse que se declarar falido.

A Colony Capital pretendia vendê-lo por até US$ 90 milhões após reformá-lo e se a carreira do cantor fosse retomada com sua volta aos palcos, após 12 anos de ausência.

Segundo um artigo da revista "Rolling Stone" escrito antes da morte de Michael, a sequência de 50 shows programada para julho em Londres solucionaria boa parte destes problemas.

"Em teoria, esta turnê resolveria problemas de Michael, já que ganharia entre US$ 50 milhões e 100 milhões. Seria uma solução rápida, mas infelizmente nunca o veremos", declarou o co-autor desse artigo, Steve Knopper, em entrevista concedida nesta sexta-feira.

EFE mgl/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.