Dois jornalistas que ajudaram as vítimas do furacão Nargis e vários opositores foram libertados nesta sexta-feira em Mianmar dentro de uma anistia que beneficia 7.000 presos, segundo algumas testemunhas.

Os nomes dos dois jornalistas aparecem em um relatório da organização de luta pelos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) que acusa a junta militar que governo o país de manter atrás das grades mais de 2.200 presos políticos, dos quais 100 detidos no último mês.

A anistia foi anunciada quinta-feira pela televisão estatal para celebrar o aniversário do golpe de Estado de 1988 que seguiu à repressão das violentas manifestações pela democracia, e que terminou com a substituição de uma junta militar por outra.

A líder opositora Aung San Suu Kyi foi recentemente condenada a 18 meses adicionais de prisão domiciliar, uma pena que a impede de se apresentar para as eleições previstas para 2010.

hla/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.