Mianmar aceita ajuda da ONU para enfrentar devastação causada por ciclone

Genebra, 5 mai (EFE) - O Governo de Mianmar aceitou a ajuda oferecida hoje pela ONU após a passagem do ciclone tropical Nargis pelo sul do país, que causou cerca de quatro mil mortes, segundo as próprias autoridades birmanesas, que, no entanto, temem que o número de mortos chegue a dez mil.

EFE |

"Mianmar mostrou sua abertura à ajuda oferecida pela comunidade internacional e aceitou a oferta das Nações Unidas", confirmou hoje à Agência Efe a porta-voz do Escritório das Nações Unidas para Assuntos Humanitários (OCHA), Elizabeth Byrs.

Ela explicou que uma equipe de avaliação de urgência da OCHA, formada por cinco especialistas, está em Bangcoc pronta para partir para Mianmar assim que obtiver os vistos.

A equipe chegará a Mianmar e avaliará a situação "para determinar o que é preciso e, daí, é o mais necessário", explicou a porta-voz, que ressaltou que a ONU já estava "preparada" perante a expectativa do ciclone.

"No país há pessoal da ONU, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), do Programa Mundial de Alimentos (PAM) e de outras agências, de fato, o PAM, tem 500 toneladas de alimentos preparadas para ser distribuídas assim que for necessário", disse Byrs.

A porta-voz das Nações Unidas acrescentou que há notáveis dificuldades para se comunicar por telefone com Mianmar.

A ONU também está pronta para mobilizar a ajuda financeira da comunidade internacional para as autoridades de Yangun e propôs desbloquear dinheiro do Fundo de Intervenção de Emergência, acrescentou Byrs.

Os problemas mais graves atualmente são o abastecimento de água e comida, material de abrigo e de saneamento.

O estado de emergência impera desde sábado passado - quando o ciclone atingiu com mais força as regiões de Yangun, Irrawaddy e Pegu e os estados de Karen e Mon. EFE mh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG