México recomenda cidadãos do país a evitar viagem à China

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O governo do México recomendou neste sábado que seus cidadãos deixem de ir à China, depois que autoridades do país asiático impuseram uma quarentena no hotel de Hong Kong onde um mexicano com o vírus da gripe H1N1 estava hospedado. A ministra de Relações Exteriores, Patrícia Espinosa, criticou a China por tomar medidas sem justificativa contra os mexicanos em resposta à epidemia da nova gripe no país latino-americano.

Reuters |

"Estamos especialmente preocupados com a China, onde cidadãos mexicanos sem nenhum sinal de doença foram isolados sob condições inaceitáveis", disse Espinosa em entrevista coletiva.

"O Ministério do Exterior recomenda que se evitem viagens à China até que essas medidas sejam corrigidas," acrescentou.

Espinosa também criticou Argentina, Peru, Equador e Cuba, que suspenderam voos com origem no México após o alerta contra a gripe H1N1.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou o México como o epicentro da epidemia da nova variedade de gripe, conhecida como "gripe suína", que ameaça tornar-se uma pandemia global. As autoridades mexicanas afirmam que os contágios podem estar se estabilizando e diminuíram as estimativas de possíveis mortes de 176 para até 101.

A quarentena no hotel de Hong Kong aconteceu na sexta-feira. O vírus já se espalhou para pelo menos 17 países ao redor do mundo.

(Reportagem de Adriana Barrera)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG