México para por 5 dias; pandemia de gripe suína é iminente

Por Catherine Bremer CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O presidente do México, Felipe Calderón, determinou que a população passe cinco dias em casa a partir de sexta-feira, numa paralisação quase total da economia, depois que a Organização Mundial da Saúde apontou a iminência de uma pandemia de gripe suína.

Reuters |

Calderón ordenou que órgãos públicos e empresas não-essenciais parem de funcionar para evitar novos contágios do vírus H1N1, que já matou até 176 pessoas no país e se espalhou pelo mundo.

"Não há lugar mais seguro do que o seu próprio lar para evitar ser infectado pelo vírus", disse Calderón em seu primeiro pronunciamento televisivo desde o início da epidemia, no ano passado.

Doze países já notificaram casos da gripe suína, sendo a Holanda o mais recente, com uma criança de três anos. Na quinta-feira, a Suíça havia confirmado a presença de um vírus, em um homem que voltou de uma viagem ao México. O Peru notificou o primeiro caso na América do Sul.

Na quarta-feira, as autoridades texanas haviam relatado a primeira morte pela doença fora do México -- um bebê mexicano de 1 ano e 10 meses que estava em visita aos EUA.

A OMS elevou para 5 (numa escala de 1 a 6) o seu nível de alerta contra pandemias, o que significa que a epidemia global é iminente.

"Pandemias de 'influenza' (gripe) devem ser levadas a sério precisamente por causa da sua capacidade de se espalhar rapidamente para todos os países do mundo", disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, em entrevista coletiva na quarta-feira em Genebra.

"A maior questão é: quão grave será a pandemia, especialmente agora no começo", disse Chan, acrescentando no entanto que o mundo "está mais bem preparado para uma pandemia de 'influenza' do que em qualquer momento da história". A OMS não chegou a recomendar restrições à movimentação de pessoas, bens e serviços.

Na Cidade do México, uma metrópole de 20 milhões de habitantes, todas as escolas, restaurantes, boates e eventos públicos estão fechados, para evitar o contágio.

A Espanha relatou o primeiro caso na Europa de um paciente que contraiu a doença sem ter ido ao México, o que ilustra o perigo do contágio entre pessoas.

Vários países proibiram a importação da carne de porco, embora a OMS diga que seu consumo não provoca a gripe suína.

VÍRUS "FRACO"

Masato Tashiro, diretor do centro de pesquisas do vírus da gripe no Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão e membro do comitê de emergências da OMS, disse ao jornal japonês Nikkei que aparentemente o H1N1 é muito menos perigoso do que o vírus da gripe aviária, que causou mais de cem mortes no começo da década, especialmente na Ásia.

"Estou muito preocupado de que usemos o estoque de medicamentos antigripe e estejamos desarmados quando precisarmos lutar contra a 'influenza' aviária. A maior ameaça à humanidade continua sendo a 'influenza' aviária H5N1."

Guan Yi, professor de Microbiologia da Universidade de Hong Kong, disse que o vírus da gripe suína (o H1N1) pode se misturar com o da gripe aviária (H5N1).

"Se ele for para o Egito, Indonésia, essas regiões endêmicas do H5N1, ele pode se transformar em um H5N1 muito poderoso, ou seja, muito transmissível entre as pessoas. Aí estaremos em apuros, será uma tragédia."

Chan, da OMS, pediu que os laboratórios ampliem a produção de medicamentos. Dois antivirais (Relenza, da GlaxoSmithKline, e Tamiflu, da Roche e Gilead Sciences) têm eficácia comprovada contra o vírus H1N1. Os laboratórios já doaram milhões de doses de seus medicamentos à OMS.

(Reportagem de Maggie Fox e Tabassum Zakaria, em Washington; Jason Lange, Catherine Bremer, Alistair Bell e Helen Popper, na Cidade do México; Laura MacInnis e Stephanie Nebehay, em Genebra, e Yoko Nishikawa, em Tóquio)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG