México inaugura Conferência Internacional sobre Aids

A XVII Conferência Internacional sobre Aids será inaugurada neste domingo, na cidade do México, com a participação de mais de 22 mil delegados, que analisarão temas científicos, sociais, religiosos e políticos ligados à pandemia, que já atinge 33 milhões de pessoas, em todo o planeta.

AFP |

O presidente mexicano, Felipe Calderón, abrirá o encontro na noite deste domingo, ao lado do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, do diretor-executivo da ONUaids, Peter Piot, e de uma menina hondurenha de 12 anos, portadora do HIV.

A discriminação, as novas pesquisas científicas, a educação sexual, as políticas governamentais e o impacto social da Aids serão discutidos em centenas de reuniões, durante os próximos seis dias.

Apesar dos progressos científicos, a conferência no México ainda não trará o anúncio da vacina capaz de evitar a Aids.

Não haverá uma pesquisa capaz de "demonstrar a capacidade de proteção". Na atual fase de desenvolvimento, a "vacina não protege e não tem sido capaz de dar uma resposta imunitária", disse à AFP Pedro Cahn, presidente da Conferência.

O encontro analisará ainda as dificuldades de acesso às drogas antirretrovirais, especialmente nos países emergentes.

A conferência discutirá ainda a situação dos jovens, um dos segmentos mais vulneráveis devido a pouca educação sexual, e das mulheres, vítimas da discriminação, da violência e da falta de informação.

Segundo os últimos números da ONUaids, na América Latina vivem 1,7 milhão de soropositivos, dos quais 47 mil são crianças e 400 mil jovens com entre 14 e 24 anos.

A realização do encontro na América Latina constitui uma oportunidade para colocar a região "na mira da agenda internacional", já que está relegada a um segundo plano diante da "dramática" situação na África, destacou Cahn.

No sábado, milhares de pessoas participaram de uma passeata pelas ruas da Cidade do México contra a discriminação sexual.

O protesto contou com a presença do ministro mexicano da Saúde, José Angel Córdova, de Peter Piot, e de diversos delegados que participarão da conferência.

No Zócalo, diante da catedral metropolitana, a passeata foi concluída com discursos do prefeito da capital, Marcelo Ebrard, e de representantes de diversas ONGs.

gbv/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG