Por Alistair Bell e Noel Randewich CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Uma gripe até agora desconhecida matou até 60 pessoas no México e também foi registrada nos Estados Unidos, onde oito pessoas foram contaminadas, mas se recuperaram, disseram autoridades sanitárias na sexta-feira.

O governo mexicano informou que pelo menos 20 pessoas morreram por causa da doença na região central do país, inclusive na capital, e que o vírus pode ser responsável por mais 40 mortes ainda não esclarecidas. Ao todo, o país tem mais de mil casos suspeitos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que exames em 12 pacientes mexicanos demonstraram que o vírus é geneticamente igual ao de 8 pacientes na Califórnia e no Texas. Esse vírus, uma nova cepa da gripe suína, foi batizado de H1N1.

"Nossa preocupação cresceu em relação a ontem", disse a jornalistas o diretor interino do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos EUA, Richard Besser.

As autoridades globais consideram, no entanto, que não há motivo para declarar pandemia (epidemia global). "Até agora não houve nenhuma mudança no nível de ameaça pandêmica", disse Besser.

Mas o fato de haver contágio direto entre humanos gera temores de um grave surto, e o governo mexicano cancelou as aulas para milhões de crianças na capital e arredores. Todos os grandes eventos públicos, como shows, foram suspensos na Cidade do México.

Uma análise mais atenta mostrou que a doença é uma mistura até então inédita de vírus suínos, humanos e aviários, segundo o CDC.

A maioria dos mortos mexicanos tinha entre 25 e 45 anos, o que é preocupante, segundo uma autoridade local. A gripe comum (sazonal) costuma ser mais letal entre pessoas muito jovens e muito idosas, e a principal característica das pandemias é que elas afetam jovens adultos saudáveis.

O ministro da Saúde, José Angel Córdova, disse que o México tem um estoque suficiente de medicamentos antivirais para combater o surto por enquanto.

A OMS disse que o vírus parece suscetível ao medicamento Tamiflu (oseltamivir), da Roche, mas não a drogas antigripe mais antigas, como o amantadine.

"Nas últimas 20 horas, menos casos sérios da doença e menos mortes foram relatadas", disse Córdova a jornalistas.

Humanos eventualmente contraem a gripe suína de porcos, mas é raro que haja transmissão entre pessoas.

TARDE DEMAIS

Besser disse que provavelmente é tarde demais para conter este surto. "Há coisas que vemos que sugerem que a contenção não é muito provável", disse ele. Uma vez que a doença se alastra para fora de uma área geográfica limitada, o controle fica muito difícil.

Mas o CDC e a OMS disseram que não há razão para evitar viagens ao México, Califórnia e Texas.

A gripe comum mata de 250 mil a 500 mil pessoas por ano em média, mas a temporada da gripe na América do Norte já deveria estar terminando.

O governo dos EUA diz estar acompanhando de perto os novos casos. "A Casa Branca está levando a situação a sério e monitorando eventuais novos fatos. O presidente (Barack Obama) tem sido totalmente informado", disse uma fonte do governo.

As autoridades mexicanas alertaram as pessoas a não se cumprimentarem com beijos e apertos de mão, e a não compartilharem alimentos, copos e talheres. O vírus da gripe pode ser transmitido pelas mãos, e lavá-las com frequência é uma das formas mais eficazes de prevenir o contágio.

A epidemia assustou a população da Cidade do México, que tem 20 milhões de habitantes e é uma das maiores metrópoles mundiais. Uma farmácia esgotou seus estoques de máscaras cirúrgicas, depois de vender 300 em um só dia.

"Estamos assustados porque dizem que não é exatamente uma gripe, é um outro tipo de vírus, e não estamos vacinados", disse a funcionária pública Angeles Rivera, que teve de retirar seu filho de uma creche que foi fechada.

Trata-se de um vírus do tipo influenza-A, batizado de H1N1. Ele contém DNA de vírus aviários, suínos e humanos, inclusive elementos de vírus suínos europeus e asiáticos, segundo o CDC, que já está preparando uma vacina.

Os cientistas estão trabalhando para entender por que houve tantas mortes no México, enquanto as infecções nos EUA parecem menos malignas, segundo Besser.

O CDC promete divulgar boletins diários (em inglês) pelo site http://www.cdc.gov/flu/swine/investigation.htm.

A última pandemia de gripe aconteceu em 1968, quando a gripe "Hong Kong" matou cerca de 1 milhão de pessoas no mundo todo.

(Reportagem adicional de Stephanie Nebehay em Genebra e Maggie Fox em Washington)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.