México cria comitê de especialistas para analisar gripe

México, 11 mai (EFE).- As autoridades de saúde mexicanas criaram um comitê de doze especialistas para assessorar o Governo sobre a gripe suína, elaborar novos modelos de atendimento médico e contribuir para o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus, informou hoje uma fonte oficial.

EFE |

Em entrevista coletiva, o titular da Comissão Coordenadora de Institutos Nacionais de Saúde e Hospitais de Alta Especialidade, Julio Sotelo, disse que o comitê assessor começou a trabalhar em 24 de abril com um fundo inicial de 10 milhões de pesos (US$ 752 mil).

No entanto, esse fundo recebeu verbas adicionais que já somam 83 milhões de pesos (US$ 6,2 milhões).

O grupo, formado por pesquisadores de instituições como a Universidade Nacional Autônoma do México, o Instituto Politécnico Nacional, a Universidade Autônoma Metropolitana e os institutos nacionais de saúde, busca "enfrentar cientificamente as várias dúvidas que esta infecção traz", disse Sotelo.

Seus integrantes vêm de diversas disciplinas, como epidemiologia, virologia, matemática e psiquiatria, e três deles receberam o Prêmio Nacional de Ciência.

O comitê funciona como um órgão assessor do ministro de Saúde do México, José Ángel Córdova, e sua missão é "convocar e coordenar os pesquisadores do país para que produzam respostas", disse o funcionário.

"É preciso definir qual a patogenicidade deste vírus, sua infecciosidade em termos científicos específicos (...) para poder prever o futuro" desenvolvimento da gripe suína, disse.

Além disso, é necessário determinar o grau de antigenicidade do vírus A (H1N1), o que significa estabelecer a resposta imunológica das pessoas frente à gripe suína.

Outra dúvida que o comitê tentará resolver é a razão pela qual o vírus se aloja principalmente em pessoas de entre 0 e 19 anos.

Além disso, os especialistas estão reunindo experiências de atendimento médico durante o "ponto alto" da epidemia para produzir modelos de "máxima eficiência" que sirvam como um "parâmetro de atendimento para ver os erros e acertos cometidos nos primeiros dias" do foco, disse Sotelo.

De acordo com os dados mais recentes oferecidos pelo Executivo, o número de mortes confirmadas no México por causa da epidemia de gripe suína é de 56, e os casos de infectados vivos sobe para 2,003 mil, a maioria dos quais já recebeu alta.

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE jd/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG