Por Eder López SALINA CRUZ, México (Reuters) - Militares mexicanos com ajuda do serviço norte-americano de inteligência encontraram na sexta-feira quase seis toneladas de cocaína dentro de um submarino caseiro apreendido nesta semana na costa do Pacífico.

A embarcação de fibra-de-vidro, com 10 metros de comprimento, conseguia se deslocar por baixo d'água quase sem deixar rastro. É a primeira vez que traficantes mexicanos são flagrados usando submarinos, segundo a Marinha.

Na sexta-feira, o Exército dispôs mais de 200 sacos pretos com a droga no cais onde o submarino está atracado.

O secretário de Segurança Doméstica dos EUA, Michael Chertoff, que está no México para discutir uma ajuda de mais de 400 milhões de dólares para o combate a quadrilhas de traficantes, disse que seu país teve participação pequena na operação.

'Trocamos informações, mas a Marinha mexicana agiu sozinha.

A apreensão foi deles, os marinheiros eram deles, os helicópteros e barcos que capturaram o submarino eram deles', disse Chertoff a jornalistas.

Quatro colombianos que estavam a bordo disseram que haviam navegado desde o seu país com a droga, segundo a Marinha. Em junho, autoridades colombianas disseram à Reuters que submarinos a diesel levavam até duas semanas para atingirem a América Central e o México, de onde a droga seria transportada por terra para os EUA.

O submarino foi apreendido depois de ser visto por helicópteros militares, de onde agentes desceram por cordas, antes que os ocupantes tivessem tempo de submergir. A tripulação foi presa, e a embarcação foi recolhida a Salina Cruz, no Estado de Oaxaca.

O governo de Felipe Calderón tem feito volumosas apreensões de drogas no México, mas especialistas dizem que falta repressão à rede financeira dos traficantes. A violência entre quadrilhas já matou 1.700 pessoas neste ano no México, e ataques a policiais e militares também são comuns.

Na sexta-feira, numa ação inédita, traficantes invadiram uma delegacia e mataram um policial em Ciudad Juárez, na fronteira do país com os EUA.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.