Miami, 7 abr (EFE).- A temporada de furacões de 2009 no Atlântico será menos ativa que a registrada no ano passado, com a formação de 12 tempestades e seis ciclones, dois deles de grande intensidade, informaram hoje meteorologistas dos Estados Unidos.

A possibilidade de melhorarem as condições do fenômeno climático "El Niño" é um dos fatores que impediria uma maior formação de furacões, afirmaram William Gray, o chamado "Guru dos furacões" dos EUA, e sua equipe da Universidade do Colorado.

No entanto, espera-se que a temporada, que inicia em 1º de junho e termina em 30 de novembro, seja tão ativa como em uma média.

Em uma temporada média são formadas 11 tempestades e seis furacões, incluindo dois de categoria 3 ou superior na escala de intensidade Saffir-Simpson, que vai de 1 a 5.

No ano passado, foi registrada uma temporada muito ativa, com 16 tempestades tropicais e oito furacões, quatro deles de categoria superior, que deixaram pelo menos 800 mortos, sendo o Caribe a região mais afetada.

De acordo com as previsões, este ano existe 54% de probabilidade de que pelo menos um ciclone de categoria 3, 4 e 5 atinja as costas americanas.

A previsão para o estado da Flórida, um dos mais afetados pelo fenômeno, é de 32%, e para a costa do Golfo do México, de 31%. EFE so/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.