Metástase tem relação com espessura do tumor do câncer de pele

(embargada até as 20h01 de hoje em Brasília) Londres, 8 jul (EFE) - O risco de metástase e a incidência do câncer de pele aumentam significativamente se o tumor tem mais de 6 milímetros de espessura e, caso, esteja situado na orelha, segundo um estudo publicado hoje na versão digital do The Lancet Oncology.

EFE |

De acordo com a pesquisa, realizada por cientistas alemães, também tem influência na probabilidade de propagação do carcinoma escamo-celular (tipo de câncer de pele) e de sua reaparição a presença de um tumor dermoplástico (formação de tecido anormal, de forma excessiva e descontrolada) e a supressão imunológica.

O câncer de pele é um dos que têm maior probabilidade de expansão para outras partes do corpo, aponta a revista médica.

Os cientistas Kay Brantsch e Helmut Breuninger do departamento de Dermatologia da Universidade Eberhard Karls de Tübingen, na Alemanha, analisaram os fatores que permitem prever a metástase e a incidência.

Os pesquisadores examinaram o caso de 615 pacientes que tinham sofrido intervenções cirúrgicas entre 1990 e 2001 nesse mesmo centro na Alemanha.

Eles fizeram uma análise completa dos tumores extraídos - a espessura, o tamanho horizontal, a forma das células e o tecido -, e também consideraram o local do corpo no qual tinham surgido, o histórico de câncer de pele e de tumores dermoplásticos dos pacientes e o grau de supressão imunológica.

Além disso, mediram o tempo que transcorria entre o diagnóstico do primeiro tumor e o da metástase ou recorrência.

Os 615 pacientes, com entre 27 e 98 anos, foram observados durante uma média de 43 meses.

Durante esse tempo, 26 pacientes - aproximadamente 4%- tiveram metástase, enquanto a doença reapareceu em 20 deles, cerca de 3%.

Os cientistas descobriram que os tumores de 2 milímetros ou menos não se espalha.

No entanto, houve metástases em 12 dos 318 tumores de entre 2,1 e 6 milímetros de espessura (por volta de 4%), e em 14 de 90 tumores com uma espessura de mais de 6 milímetros (quase 16%).

Os especialistas concluíram que quanto mais espesso, maior o risco de metástases, que aumentava em até cinco vezes.

Em suas conclusões, os cientistas recomendam realizar um acompanhamento clínico com ultra-som a cada três ou quatro meses durante quatro anos dos pacientes com mais risco, embora reconhecessem que é necessário comprovar os benefícios para os pacientes dessa medida. EFE jm/bm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG