Cairo, 19 jan (EFE).- Um relatório elaborado pelo Ministério de Assuntos Exteriores jordaniano reitera que a Mesquita de al-Aqsa, em Jerusalém Oriental, corre risco de afundar em consequência de escavações arqueológicas israelenses, embora descarte um colapso iminente.

"A destruição da mesquita é inevitável caso a situação não mude", assegura um memorando apresentado pela Jordânia aos ministros de Exteriores da Liga Árabe que devem reunir-se em março.

O documento, que foi divulgado hoje, indica, no entanto, que "não espera-se que a destruição da mesquita aconteça nos próximos meses".

As escavações que Israel realiza em um dos pontos de acesso à Esplanada das Mesquitas geram desde 2008 diversas ondas de protesto em países árabes.

Segundo o tratado de paz assinado entre Jordânia e Israel, em 1994, as autoridades israelenses outorgaram a Amã o poder de velar pelo estado dos santuários muçulmanos e cristãos em Jerusalém Oriental. EFE nq/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.