Mesmo rejeitado pelo Senado, embaixador boliviano na ONU assumirá o cargo

La Paz, 28 dez (EFE).- O embaixador boliviano Pablo Solón informou hoje que, nesta segunda-feira, viaja à ONU para assumir a representação do país, apesar de o Senado, controlado pela oposição, ter rejeitado sua nomeação como titular no cargo.

EFE |

Solón, ex-candidato à Secretaria-Geral da União de Nações Sul-americanas (Unasul), disse que o Governo de Evo Morales não se rendeu perante "os bloqueios da oposição" no Senado, organismo que tem a faculdade de impedir estas indicações.

Ele explicou que a Câmara pode aprovar ou não a nomeação do titular em um cargo de embaixador, mas que o Executivo designa diretamente os funcionários para o segundo, terceiro ou quarto posto nas delegações.

"O Governo me nomeou no segundo posto e, por não estar presente o primeiro, exercerei a Chefia da missão nas Nações Unidas até que o Senado aprove um embaixador proposto pelo Executivo", disse Solón à rádio estatal "Patria Nueva".

O embaixador, que atuava até agora como embaixador plenipotenciário para negociações comerciais, explicou que uma de suas missões é intervir nas negociações nas Nações Unidas para reivindicar uma maior democracia na organização. EFE ja/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG