Mesmo com exigências, desembarque de espanhóis no Rio ocorre sem problemas

Passagem com data de volta, reserva de hotel e quantia mínima de dinheiro são exigidas

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |

O primeiro dia com as novas exigências para a entrada de espanhóis no Brasil em vigor não causou problemas para os estrangeiros que desembarcaram no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro. Por volta das 18h20, alguns espanhóis chegaram ao terminal em um voo da empresa Iberia vindo de Madri e todos relataram não ter enfrentado imprevistos no controle migratório da Polícia Federal.

Leia também: Brasil pode revogar exigências a espanhóis se Espanha fizer o mesmo

O casal de professores Luís Gonzalo e Marisol Soledad veio ao Brasil para visitar o neto e já estava ciente das novas regras. Precavidos, os dois portavam toda a documentação necessária e não encontraram resistência na chegada ao Rio. “Nosso filho tinha nos avisado. Mostramos a carta-convite para provar que vamos ficar na casa dele e o bilhete de volta e não encontramos dificuldades”, disse Marisol, que já esteve com o marido no Brasil outras vezes, mas nunca teve solicitada a documentação apresentada nesta segunda-feira.

O jornalista Mikel Ormazabal veio com a família ao Rio para ficar na casa do primo. Segundo ele, a fila no controle migratório estava demorada porque havia muita gente e, não, por causa das novas exigências. “Foi tudo perfeito. Pediram apenas o bilhete de retorno”. Para ele, a nova legislação é justa. “Se a Espanha pede, o Brasil tem razão em pedir também a apresentação de alguns documentos”, avaliou.

A opinião não é compartilhada pelo economista Ignácio Botas. “Não acho que esse tratamento seja adequado. Muitos turistas poderão deixar de vir para o Brasil”, disse ele, que teve que apresentar o comprovante de hospedagem e a passagem de retorno. Questionado sobre o tratamento dado aos brasileiros na Espanha, ele respondeu: “Não conheço as regras de lá”.

Chegando de viagem com as duas filhas e falando português fluentemente, a advogada Estela Ufarte não teve nenhuma documentação solicitada por policiais federais. “Apenas preenchi o formulário referente às meninas. Sabia das novas regras, mas não pediram nada. Solicitaram mais documentos em Madri, antes do embarque, do que aqui”, contou.

A jovem Suelen da Silva, de 15 anos, aguardava a chegada do namorado, Juan Marcos, de 19 anos, que tem nacionalidade brasileira e espanhola. Sua chegada colocaria fim a um pesadelo ocorrido dias antes. No último dia 28 de março, os dois adolescentes viajaram para a Espanha, mas ela foi barrada em Madri e deportada. “Fiquei chateada, chorei muito. Não ia fazer nada demais no país deles”, disse ela. Neto de espanhóis, Juan voltou para o Brasil após o ocorrido. “Vamos nos casar e, assim, ela não vai passar mais por isso”.

Novas exigências

As novas exigências fixadas pelo governo brasileiro para os espanhóis conseguirem a autorização de entrada no País são baseadas no chamado princípio diplomático da reciprocidade, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores.

O controle migratório passa a exigir dos espanhóis a apresentação de passaporte válido por no mínimo seis meses, apresentação de bilhete aéreo de volta com data de retorno marcada, comprovação que dispõe de R$ 170 por dia para despesas e documento comprovando reserva em uma hospedagem ou carta-convite autenticada em cartório brasileiro, acompanhada pelo comprovante de residência, contendo a assinatura do parente ou amigo que irão recebê-los.

    Leia tudo sobre: reciprocidadeespanhabrasilturistasmigração

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG