Berlim, 12 abr (EFE).- A chanceler alemã, Angela Merkel, disse ser contrária ao boicote aos Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto, como forma de protesto pela situação do Tibete e dos direitos humanos em outras regiões da China.

Em entrevista que será publicada pelo jornal alemão "Frankfurter Allgemeine Zeitung" no domingo, Merkel lembra que "o boicote aos Jogos Olímpicos de 1980, em Moscou, não ofereceu nada, a não ser um 'contra-boicote' nos Jogos de 1984, em Los Angeles".

"Nada de boicote. Os Jogos oferecem a possibilidade de conversar com as autoridades chinesas, conversas que, no que se refere à Alemanha, ocorrem em todos os níveis", acrescenta a chanceler.

Merkel também disse que um dos objetivos dessas conversas é possibilitar um diálogo entre o Governo de Pequim e o líder espiritual tibetano, o dalai lama.

A chanceler alemã procurou evitar entrar na discussão sobre se teria sido melhor não dar à China o direito de sediar os Jogos, e afirmou que esta "é uma discussão estéril, por ser tardia". EFE cv/bba/gs

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.