Merkel reitera exigência para limitar bônus de executivos

Berlim, 16 set (EFE).- A chanceler alemã, Angela Merkel, reiterou sua exigência para que se limite, mediante regras internacionais, o pagamento de bonificações a altos executivos, que só poderão cobrá-las caso registrem os benefícios.

EFE |

"As bonificações devem estar ligadas ao êxito a longo prazo das empresas", assinala Merkel em declarações ao rotativo "Hamburger Abendblatt" diante da próxima cúpula do G20 na localidade americana de Pittsburgh.

"Se uma empresa gera lucro, só uma parte determinada dos mesmos poderá ser dedicada ao pagamento de bonificações. Mas se uma empresa não produz lucro, não pode haver bonificações", afirma taxativamente a chanceler alemã.

Além disso, ressalta que "ninguém entende que se pague uma recompensa àqueles que trabalharam mal e depois chamam ao Estado em sua ajuda".

"Vamos mudar isso. Embora isto só se possa fazer de maneira efetiva em nível internacional", destaca Merkel, quem mostra suas reservas perante a exigência que se ponham limites superiores unitários para esses bônus e destaca que "a melhor orientação sobre sua quantia é o êxito real e sustentado de uma empresa". EFE jcb/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG