Merkel quer que conferência sirva para passar responsabilidade a afegãos

Berlim, 30 dez (EFE).- A chanceler alemã, Angela Merkel, reafirmou hoje o compromisso de seu Governo com o futuro do Afeganistão e destacou que a conferência programada para janeiro em Londres deverá servir para preparar a transferência gradual aos afegãos da total responsabilidade sobre seu país.

EFE |

"A tarefa de nossos soldados, policiais e voluntários civis no Afeganistão é conseguir a estabilização e segurança necessárias, para que a partir aí nossa segurança não volte a ficar em perigo", disse Merkel em sua tradicional mensagem de Ano Novo.

Politicamente, o objetivo é "criar as condições necessárias para que nos próximos anos, passo a passo, se transfira a responsabilidade aos afegãos", acrescentou a chanceler.

Com essas palavras, Merkel entra na polêmica surgida na Alemanha após as declarações do ministro de Assuntos Exteriores, o liberal Guido Westerwelle, que insinuavam um possível boicote à conferência de Londres caso o evento servisse apenas para debater questões relativas ao envio de mais tropas.

"Se Londres for apenas uma conferência para distribuir tropas, não irei. Precisamos de uma estratégia global", afirmou Westerwelle à revista "Stern".

Um porta-voz de seu Ministério disse que tais palavras não representavam uma "ameaça de boicote", como disse o próprio "Stern", mas a convicção de que a prioridade dessa conferência é falar sobre um futuro político e civil do Afeganistão.

Westerwelle e seu colega da Defesa, Karl-Theodor zu Guttenberg, expressaram repetidamente seu receio de ampliar o contingente alemão no Afeganistão e argumentam que o Parlamento da Alemanha aprovou há pouco tempo o aumento de tropas para 4.500 soldados - o número previsto era de 3.500.

Guttenberg pediu uma estratégia clara para a progressiva retirada de tropas, disse que o Ocidente deve aceitar que o Afeganistão pode não chegar a níveis de democracia segundo os parâmetros ocidentais e insistiu em que não se deve descartar o diálogo com os talibãs moderados. EFE gc/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG